11. Atividades Complementares

11.1 Financiamentos

O PPGM-UFRJ tem contado, notadamente ao longo da última década, com apoios para produção de eventos no país de agências de fomento como FAPERJ, CAPES, CNPq e DAAD. O financiamento para bolsas no país Demanda Social-CAPES tem sido complementado, para bolsas de estudo no exterior, por financiamento de agências como a própria CAPES (Programa Institucional de Doutorado-sanduíche no Exterior), Fullbright e Erasmus. Bolsas de produtividade CNPq são recebidas por três docentes do Programa: Prof. Dr. Samuel Araújo e Prof. Dr. Rodolfo Caesar e Profa. Dra. Márcia Taborda.

11.2. Colaborações do corpo docente

Colaborações dos membros do corpo docente do PPGM-UFRJ no mesmo período incluem:

a) Participação em bancas de concursos públicos e de Programas de Pós-Graduação de outras instituições, entre outras coisas com a produção de pareceres “ad hoc” para agências de fomento (FAPERJ, FUJB, CAPES, CNPq, DAAD, FAPESP e Fundação Guggenheim);

b) Participação em eventos científicos nacionais e estrangeiros, tais como os promovidos pela ICTM (International, Council for Traditional Music) e IASPM-LA (International Association Studies of Popular Music);

c) Atuação como parecerista ad hoc de periódicos científicos (Revista OPUS da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música, Revista Vórtex da UNESPAR entre outras) e editoras universitárias (EDUNESP e Editora da UNICAMP, EDUSP, entre outras);

d) Participação em comissões editoriais de periódicos científicos (Latin American Music Review, Revista Brasileira de Música e MusMat – Brazilian Journal of Music and Mathematics, Newsletter Caravelas, Revista do Conservatório de Música da UFPEL, Revista Orfeu, Per Musi);

e) Participação em conferências no Brasil e no exterior (IV Congresso da Associação Regional para América Latina e Caribe da Sociedade Internacional de Musicologia, I Congresso Internacional de Musicologia da Universidad de Guanajuato no México, VII Congresso Muspres “Beethoven en la prensa periódica”, entre outros);

f) Participação em comissões organizadoras de eventos científicos e artísticos, promovidos pelo próprio Programa e por outras instituições, tais como Academia Brasileira de Música, BNDES, FUNARTE, UNESCO etc., o que pode ser verificado nos registros de produção técnica e artística.

g) Colaboração entre Grupos de Pesquisa, como a do “MusMat” com o grupo MUS³ (UFPB) e NICS (UNICAMP), e ainda a do “Polo Caravelas Brasil” com o Centro de Estudos de Sociologia e Estética Musical (CESEM) da Universidade Nova de Lisboa.