3. Proposta Curricular

3.1 Áreas de Concentração

O PPGM-UFRJ contempla três Áreas de Concentração: Educação Musical, Musicologia e Processos Criativos, englobando cinco Linhas de Pesquisa no total.

3.1.1 Área de Educação Musical

Tem como objeto o estudo das relações entre música e educação, entendidas como instâncias de criação de conhecimentos e como agentes transformadores de qualidade de vida sociocultural e individual, em quaisquer espaços de ocorrência do fenômeno musical, através de pesquisa científica e produção bibliográfica e artística, incluindo dissertação (Mestrado Acadêmico) ou tese (Doutorado). Dentro da área desenvolve-se uma linha única.

3.1.1.1 Música, Educação e Diversidade

Estudos em educação musical voltados para a promoção da diversidade e interação social, entendidos em sentido amplo, e comprometidos com a transformação da qualidade de vida sociocultural e individual.

3.1.2 Musicologia

Tem como objeto de estudo os saberes e fazeres musicais, em suas diversas dimensões e manifestações, com ênfase histórica, antropológica, sociológica, política, teórica, analítica, crítica ou interdisciplinar, proporcionando o desenvolvimento da capacidade de reflexão, discussão e contextualização da música em diversas tradições e culturas, através de pesquisa científica e produção bibliográfica, incluindo dissertação (Mestrado Acadêmico) ou tese (Doutorado). Dentro da área, desenvolvem-se duas Linhas de Pesquisa.

3.1.2.1 Etnografia das Práticas Musicais

Abordagem etnográfica e histórica do fazer musical, enfatizando as relações entre as práticas acústicas e as demais expressões das sociedades humanas.

3.1.2.2 História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-Americana

Estudo da música brasileira e ibero-americana em seus aspectos históricos, sociológicos, antropológicos, políticos, culturais e analíticomusicais, com ênfase na investigação documental, construção e na crítica historiográfica.

3.1.3 Área de Processos Criativos

Tem como objeto de estudo a produção do discurso musical, a partir de experiências composicionais, interpretativas, performáticas, da realização do objeto musical em meios e suportes videofonográficos, da construção da escuta e dos estudos em tecnologia musical, proporcionando o desenvolvimento da capacidade de reflexão, discussão e contextualização da produção musical original e tradicional, bem como de sua performance e difusão, através de produção artística, pesquisa e produção bibliográfica, incluindo dissertação (Mestrado Acadêmico) ou tese (Doutorado). Dentro da área, desenvolvem-se duas Linhas de Pesquisa.

3.1.3.1 Práticas Interpretativas e seus Processos Reflexivos

Pesquisa da prática interpretativa musical e de seus processos reflexivos, enfocando o pensamento atrelado à ação, para a construção do conhecimento da prática artística e de suas relações com experiências de natureza histórica, pedagógica e criativa.

3.1.3.2 Poéticas da Criação Musical

Estudos relacionados aos processos criativos em música e aos processos de significação do objeto musical, propiciando a emergência de novos modelos e abordagens do conhecimento em composição musical e sonologia, que conjuguem pesquisa e produção artística.

3.2 Disciplinas

As disciplinas obrigatórias e optativas do Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ, organizados do ponto de vista formal no contexto das Áreas de Concentração e em sua vinculação particular com as Linhas de Pesquisa subordinadas, são em sua maior parte, do ponto de vista do conteúdo, vinculadas a Grupos de Pesquisa e projetos em andamento no Programa. Disciplinas obrigatórias, de caráter formativo, abordam via de regra campos abrangentes, relacionando-se aos fundamentos da Área de Concentração; disciplinas optativas, por sua vez, voltam-se a conteúdos específicos ligados ao trabalho em curso nos Projetos de Pesquisa, abrangendo temas emergentes e inovadores com propiciem uma expansão de perspectivas aos alunos. Todas as disciplinas admitem em suas turmas, além dos alunos de Mestrado Acadêmico e Doutorado do PPGM-UFRJ, alunos do Mestrado Profissional do Programa de Pós-Graduação Profissional em Música da Escola de Música (PROMUS), alunos de outros programas credenciados pelo órgão competente do Ministério da Educação e alunos externos (especiais).

As disciplinas têm formato variado (seminários, estágios, atividades artísticas, recitais e defesas de produção artística, e atividades complementares específicas, além da atividade de orientação em si), sendo a sua condução, entre outras razões em decorrência da vinculação temática e metodológica ao trabalho desenvolvido no âmbito dos Grupos e Projetos de Pesquisa em andamento do Programa, confiada a um orientador principal ou a um grupo de orientadores ligados a tais grupos e projetos. Colabora para isso o fato de parte do corpo discente ser oriunda dos projetos de Iniciação Científica desenvolvidos em nível de graduação no âmbito de projetos do PPGM-UFRJ, já tendo assim uma inserção no contexto dos projetos. Parte importante deste mesmo processo de inserção do aluno no ambiente de pesquisa é o conjunto de atividades complementares oferecido pelo Programa (participação em congressos, simpósios, seminários e colóquios de pesquisa), que frequentemente resultam na publicação de trabalhos vinculados a seus Projetos de Pesquisa.

3.2.1 Disciplinas obrigatórias

As disciplinas obrigatórias formam um campo mais abrangente, normalmente ligado à Área de Concentração, e abordando conteúdos de maior abrangência, correspondentes aos fundamentos dos projetos.

Diretamente relacionada ao objetivo mais amplo do Programa de formação de recursos humanos, a disciplina Estágio Docente Supervisionado é realizada necessariamente na Unidade, como atividade obrigatória dos cursos de Mestrado Acadêmico e Doutorado. Deve ser cumprida sob a supervisão de docente do Programa, em disciplina de graduação ministrada pelo próprio, consistindo de assistência às aulas da disciplina escolhida durante um período letivo, ao longo do qual o aluno deve ministrar ao menos 2 (duas) aulas e apresentar, ao final do semestre, relatório de observação e das aulas ministradas, assinado por ele e por seu supervisor.

3.2.2 Disciplinas optativas

As disciplinas optativas, por outro lado, cuidam de conteúdos específicos, ligados diretamente ao trabalho contínuo de pesquisa em curso nos projetos, abrangendo temas emergentes e inovadores, visando a abertura de horizontes e perspectivas para os alunos.

3.2.3 Atividades complementares

As atividades complementares (participação em congressos, simpósios, seminários e colóquios de pesquisa) são parte importante do processo de inserção do aluno no ambiente de pesquisa e resultam necessariamente na publicação de trabalhos vinculados aos Projetos de Pesquisa dos quais participam.

3.2.4 Participação de professores convidados externos nas disciplinas do PPGM-UFRJ

Um aspecto fundamental da estrutura curricular desenvolvida no âmbito do Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ a partir do Triênio 2010-2013, e responsável pela significativa expansão e qualificação da produção docente e discente que se observa hoje no Programa, foi a consolidação de Grupos de Pesquisa de nítido corte disciplinar a partir dos quais Projetos de Pesquisa de maior especificidade passaram a ser desenvolvidos, levando assim ao fortalecimento do diálogo com a produção de conhecimento na área. Por outro lado, o início do Doutorado no âmbito do PPGM-UFRJ em 2015, com a exigência de compartilhamento de Disciplinas obrigatórias da grade curricular com pesquisadores externos, em geral também colaboradores dos Grupos de Pesquisa do Programa, propiciou o contato de alunos com especialistas de outros centros e assim com conteúdos de pesquisas desenvolvidas em diálogo com o PPGM-UFRJ. Com o mesmo efeito integrador, diversas disciplinas do Mestrado e Doutorado foram ministradas nos últimos anos por professores convidados externos.

Em 2017, o PPGM-UFRJ ofereceu disciplinas com os seguintes professores convidados externos: Luiz Paulo Sampaio, Carlos Alberto Figueiredo, Marcelo Carneiro e Alexandre Fenerich (UNIRIO); Helen Jardim (Colégio Pedro II); Carlos Volotão (IME); José Augusto Mannis (UNICAMP); Aline Couri (EBA-UFRJ); Analu Cunha (UERJ). Já em 2018, com os professores convidados externos: Analu Cunha (UERJ); Fernando Morais da Costa (UFF); Cesar Buscacio (UFOP); José Augusto Mannis (UNICAMP); Alexandre Fenerich, Carole Gubernikoff, Erica Giesbrecht, Inês Rocha, Maya Lemos, Vincenzo Cambria (UNIRIO); André Luiz Gonçalves de Oliveira (UNOESTE); Ricardo Ballestero (USP). Em 2019, o PPGM-UFRJ ofereceu disciplinas com os professores convidados externos: Patricia Teixeira dos Santos (UNIFESP), Álvaro Neder (UNIRIO), Vincenzo Cambria (UNIRIO) e Giulio Draghi (UFRJ).

3.3 Curso de Mestrado Acadêmico

O processo de seleção para ingresso no Mestrado Acadêmico é realizado através de edital público anual, elaborado pela comissão de seleção do PPGM-UFRJ e aprovado por sua Comissão Deliberativa (Coordenador do Programa, Coordenadores das Linhas e Representante Discente) e pela Congregação da Unidade. O processo seletivo consiste das seguintes provas classificatórias: a) Dissertativa Geral, sobre questões formuladas pela comissão de avaliação (constituída por docentes do Programa), relacionadas à bibliografia divulgada no sítio eletrônico do Programa na data de publicação do edital anual; b) Dissertativa Específica, sobre questões formuladas em português pela comissão de avaliação, relacionadas a artigo científico em língua inglesa, vinculado tematicamente à Linha de Pesquisa a que o candidato submete seu anteprojeto; e c) Defesa de Anteprojeto de Pesquisa, com apresentação oral do anteprojeto pelo candidato (até 5 minutos), seguida de arguição da comissão de avaliação (até 15 minutos). No processo seletivo para ingresso no Mestrado Acadêmico, a comissão de avaliação do PPGM-UFRJ adota os seguintes critérios, para as provas dissertativas e defesa de Anteprojeto de Pesquisa: a) objetividade, concisão e correção textual, considerando-se ainda domínio de conteúdos; b) coerência na formulação de questões e na respectiva argumentação; c) consistência da adequação de anteprojeto à respectiva linha de pesquisa e ao projeto nela visado; e d) relevância da proposta e viabilidade da colaboração pretendida. Para a obtenção do título de “Mestre em Música” o aluno reúne em seu histórico acadêmico carga horária em disciplinas (seminários, estágios, orientações, atividades artísticas e complementares) não inferior a 360 (trezentas e sessenta) horas e com duração mínima de dois períodos letivos, em casos excepcionais, e máxima de 24 meses, dividindo-se em dois grandes módulos.

3.3.1. Módulos

3.3.1.1 Primeiro módulo

No primeiro módulo, com duração de 12 meses, o aluno cumpre créditos em disciplinas obrigatórias e optativas, preparando-se para o exame de qualificação, que ocorre no final desta etapa ou no início da segunda etapa, de acordo com o andamento da pesquisa. É uma fase de aquisição de conteúdos, técnicas e fundamentos, visando a potencialização e o refinamento do trabalho de pesquisa individual, já em contato com o orientador. O exame de qualificação é julgado por uma banca composta por três Doutores, sendo pelo menos um externo ao Programa.

3.3.1.2 Segundo módulo

No segundo módulo, com a pesquisa já aprovada no exame de qualificação, o aluno passa os 12 meses restantes cursando disciplinas mais específicas ao seu projeto e preparando a dissertação e a defesa. É uma fase de interação mais intensa com o orientador, e eventual coorientador, e quando o aluno é instado a participar de congressos e publicar artigos referentes ao seu trabalho. A banca de defesa é composta por três Doutores, sendo pelo menos um externo ao Programa.

3.3.2 Aproveitamento de créditos

Os alunos do curso de Mestrado Acadêmico do Programa têm a possibilidade, em seu currículo atual, de aproveitar até 180 (cento e oitenta) horas de atividades acadêmicas equivalentes, relacionadas à Área de Concentração do seu curso, de cursos anteriores, concluídos ou não, e de disciplinas isoladas, cursadas no próprio Programa ou em outros programas da UFRJ ou de outra instituição, desde que a carga horária transferida seja relativa a curso de mesma nomenclatura ou de área afim.

3.3.3. Estrutura do curso

3.3.3.1. Disciplinas obrigatórias (210 horas):

1) Seminários I e II (total de 90 horas)

2) Metodologia da Pesquisa em Música (45 horas)

3) Estágio Docente Supervisionado – Mestrado (30 horas)

4) Preparação de Exame de Qualificação (15 horas)

5) Orientação de Dissertação de Mestrado I (30 horas)

3.3.3.2. Disciplinas optativas (ao menos 150 horas):

1) Seminários (no Programa e em outros PPGs)

2) Tópicos Especiais (no Programa e em outros PPGs)

3) Outras disciplinas (no Programa e em outros PPGs)

3.3.3.3. Atividades complementares:

a) Publicação de trabalhos em livros e periódicos indexados (correspondendo a 45 horas de atividades acadêmicas);

b) Produção artística qualificada nos três estratos superiores estabelecidos pelo órgão avaliador do MEC (correspondendo a 45 horas de atividades acadêmicas);

c) Apresentação de comunicações orais de artigos aceitos pelos conselhos científicos de Congressos e eventos afins, com publicação em anais (correspondendo a 30 horas de atividades acadêmicas);

d) Apresentação artística solo aceita pelos conselhos científicos de Congressos e eventos afins, com publicação do texto (bibliográfico) do trabalho em anais (correspondendo a 30 horas de atividades acadêmicas);

e) Orientação de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) de graduação (correspondendo a 30 horas de atividades acadêmicas);

f) Apresentação de pôsteres aceitos pelos conselhos científicos de Congressos e eventos afins (correspondendo a 15 horas de atividades acadêmicas);

g) Apresentação artística de conjunto, aceita pelos conselhos científicos de Congressos e eventos afins, com publicação do texto (bibliográfico) do trabalho em anais (correspondendo a 15 horas de atividades acadêmicas);

h) Participação no Colóquio Anual de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Música da Escola de Música da UFRJ, com apresentação oral de trabalho e publicação do mesmo em anais (correspondendo a 15 horas de atividades acadêmicas).

3.4 Curso de Doutorado

O processo de seleção para ingresso no Doutorado é realizado através de edital público anual, elaborado pela comissão de seleção do PPGM-UFRJ e aprovado por sua Comissão Deliberativa (Coordenador do Programa, Coordenadores das Linhas e Representante Discente) e pela Congregação da Unidade. O processo seletivo consiste de todas as provas classificatórias aplicadas ao Mestrado Acadêmico acrescidas de: d) Prova de Idiomas, consistindo de tradução de texto vinculado à Área de Concentração pretendida pelo candidato, em língua estrangeira específica ao Projeto de Pesquisa a que o candidato submete seu anteprojeto (conforme indicação pormenorizada em edital). No processo seletivo para ingresso no Doutorado, a comissão de avaliação do PPGM-UFRJ adota os seguintes critérios, para as provas dissertativas e defesa de Anteprojeto de Pesquisa: a) objetividade, concisão e correção textual, considerando-se ainda domínio de conteúdos; b) coerência na formulação de questões e na respectiva argumentação; c) consistência da adequação de anteprojeto à respectiva Linha de Pesquisa e ao projeto nela visado; d) relevância da proposta e viabilidade da colaboração pretendida; e) na prova de idiomas, fidelidade ao texto original. Para a obtenção do título de “Doutor em Música” o aluno integraliza em seu histórico acadêmico carga horária em disciplinas (seminários, estágios, orientações, atividades artísticas e complementares) não inferior a 480 (quatrocentos e oitenta) horas e com duração mínima de seis períodos letivos, em casos excepcionais, e máxima de 48 meses, perfazendo 36 créditos, dividindo-se em dois grandes módulos.

3.4.1 Módulos

3.4.1.1 Primeiro módulo

No primeiro módulo, com duração de 24 meses, o aluno cumpre créditos em disciplinas obrigatórias e optativas, preparando-se para o exame de qualificação, que ocorre no final desta etapa ou no início da segunda etapa, de acordo com o andamento da pesquisa. É uma fase de aquisição de conteúdos, técnicas e fundamentos, visando a potencialização e o refinamento do trabalho de pesquisa individual, já em contato com o orientador. O exame de qualificação é julgado por uma banca composta por três Doutores, sendo pelo menos um externo ao Programa.

3.4.1.2 Segundo módulo

No segundo módulo, com a pesquisa já aprovada no exame de qualificação, o aluno passa os 24 meses restantes cursando disciplinas mais específicas ao seu projeto e preparando a tese para a defesa. É uma fase de interação mais intensa com o orientador, e eventual co-orientador, e quando o aluno é instado a participar de congressos e publicar artigos referentes ao seu trabalho. A banca de defesa é composta por cinco Doutores, sendo pelo menos dois externos ao Programa.

3.4.2 Aproveitamento de créditos

Os alunos do curso de Doutorado têm a possibilidade, em seu currículo atual, de aproveitar até 240 (duzentos e quarenta) horas de atividades acadêmicas equivalentes, relacionadas à Área de Concentração do seu curso, de cursos anteriores, concluídos ou não, e de disciplinas isoladas, cursadas no próprio Programa ou em outros programas da UFRJ ou de outra instituição, desde que a carga horária transferida seja relativa a curso de mesma nomenclatura ou de área afim.

3.4.3 Estrutura do curso

3.4.3.1 Disciplinas obrigatórias (210 horas):

1) Seminários Avançados I e II (90 horas)

2) Preparação de Exame de Qualificação (30 horas)

3) Estágio Docente Supervisionado (30 horas)

4) Orientação de Tese de Doutorado I e II (60 horas)

3.4.3.2 Disciplinas optativas (ao menos 270 horas):

1) Seminários (no Programa e em outros PPGs)

2) Tópicos Especiais (no Programa e em outros PPGs)

3) Outras disciplinas (no Programa e em outros PPGs)

3.4.3.3 Atividades Complementares

1) Atividades complementares I (15 horas)

2) Atividades Complementares II (30 horas)

3) Atividades Complementares III (30 horas)

4) Atividades Complementares IV (45 horas)

5) Atividades Complementares V (45 horas)

a) Produção bibliográfica e/ou artística orientada (vinculada necessariamente ao Projeto de Pesquisa ao qual o aluno está vinculado), com resultante publicação em livros, periódicos científicos ou anais de eventos científicos nacionais ou internacionais (congressos, simpósios, colóquios) qualificados.

b) Publicação de trabalhos em livros e periódicos indexados (correspondendo a 45 horas de atividades acadêmicas);

c) Produção artística qualificada nos três estratos superiores estabelecidos pelo órgão avaliador do MEC; apresentação de comunicações orais de artigos aceitos pelos conselhos científicos de Congressos e eventos afins, com publicação em anais (correspondendo a 30 horas de atividades acadêmicas);

d) Apresentação artística solo aceita pelos conselhos científicos de Congressos e eventos afins, com publicação do texto (bibliográfico) do trabalho em anais (correspondendo a 30 horas de atividades acadêmicas);

e) Orientação de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) de graduação (correspondendo a 30 horas de atividades acadêmicas);

f) Apresentação de pôsteres aceitos pelos conselhos científicos de Congressos e eventos afins (correspondendo a 15 horas de atividades acadêmicas);

g) Apresentação artística de conjunto, aceita pelos conselhos científicos de Congressos e eventos afins, com publicação do texto (bibliográfico) do trabalho em anais (correspondendo a 15 horas de atividades acadêmicas);

h) Participação no Colóquio Anual de Pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Música da Escola de Música da UFRJ, com apresentação oral de trabalho e publicação do mesmo em anais (correspondendo a 15 horas de atividades acadêmicas).

3.5 Experiências inovadoras de formação

O PPGM-UFRJ promove importantes experiências de inovação, ligadas tanto aos Grupos de Pesquisa, como às atividades complementares e estágios docentes. Como exemplo, destacam-se três experiências:

3.5.1 Programação e publicação de aplicativos digitais no Grupo de Pesquisa “MusMat”

No âmbito do grupo “MusMat”, vinculado à Linha de Pesquisa “Poéticas da Criação Musical”, os alunos reúnem-se semanalmente para troca de experiências e informações a respeito de programação de software ligados à análise e composição musical assistida por computador. Os encontros promovem a participação direta dos alunos na confecção, manutenção e atualização de aplicativos digitais (cerca de trinta, até o momento), cobrindo áreas ainda sub-aproveitadas no âmbito da didática composicional e analítica (por exemplo, Teoria Neo-riemanniana, Variação Progressiva e Grundgestalt, Análise Particional, Teoria dos Conjuntos, Teoria dos Contornos). Os programas são desenvolvidos na plataforma Matlab e são lançados em versão Windows e OSX, sendo que está em pleno curso a portagem dos mesmos para a plataforma Linux. Os alunos participam também do Grupo MusMat no Facebook, onde é promovida uma intensa troca de informações em tempo integral sobre esta atividade, visando o comprometimento e a integração entre os participantes do Grupo de Pesquisa. No momento, o grupo conta com 28 integrantes e os alunos participam também do gerenciamento do site, aproveitando assim a oportunidade para se atualizar sobre os processos de organização e difusão de informações.

3.5.2 Trabalho de campo na comunidade da Maré

O projeto “Som da Maré”, ligado à Linha de Pesquisa “Etnografia das Práticas Musicais”, também é um importante marco de inovação acadêmica, envolvendo também docentes e discentes do PPGM-UFRJ e da própria comunidade. O projeto inclui oficinas e trabalho de campo nas favelas da Maré e promove instalações, utilizando recursos sonoros, visuais e interativos que ocupam três galerias no Museu da Maré. O projeto tem grande impacto na articulação do conhecimento de jovens universitários com os produtores culturais da comunidade, trazendo mais uma ferramenta de resistência e afirmação da cultura do Rio de Janeiro.

3.5.3 Arte e Cultura da Diversidade: diferença sem exclusão

O projeto “Educação Musical na Diversidade: o processo criativo coletivo e o empoderamento da pessoa em sofrimento psíquico”, ligado à linha “Música, Educação e Diversidade”, também inova ao desenvolver pesquisas de integração da música com a dança no desenvolvimento do bem estar e da saúde do indivíduo, em convênio com o Instituto de Psiquiatria da UFRJ (IPUB-UFRJ), Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos, Superintendência de Saúde Mental (SMS-RJ) e Escola de Educação Física da UFRJ. O projeto propõe uma visão integrada do conceito de saúde, que envolve no mesmo nível a educação, a arte e a inclusão social. O projeto tem convênio também com o Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES), aonde desenvolve-se pesquisa sobre o impacto de aulas de música no desenvolvimento de crianças com deficiências auditivas severas. O projeto envolve alunos, docentes e pesquisadores das instituições participantes e permite o constante fluxo de experiências entre diferentes Unidades da UFRJ.

3.6 Ensino a distância *

A política de implementação de cursos a distância na UFRJ tem sido discutida na UFRJ nos últimos anos no âmbito do Conselho de Ensino para Graduados (CEPG), mas até o momento a universidade não possui Cursos de Pós-Graduação na modalidade EaD. Considerando a interação pessoal orientador-orientando como fundamental para a formação dos futuros mestres e doutores formados na UFRJ, e o ambiente universitário como a mola mestra do pensamento crítico necessário ao desenvolvimento da Ciência, a UFRJ entende porém que situações pontuais podem levar à elaboração de vídeos tutoriais e aulas com transmissão on-line (no modelo de videoconferência), visando implementar metodologias de ensino mais atraentes aos estudantes e permitindo alcançar alunos fora do Rio de Janeiro em algumas áreas do conhecimento, em algumas disciplinas e de forma esporádica. Por tal razão o PPGM-UFRJ, conquanto aberto às novas tecnologias como ferramentas de apoio e complemento pedagógico, mantém cursos exclusivamente presenciais.

* consoante o Plano de Desenvolvimento Institucional da UFRJ 2019-2023.