5. Infraestrutura

O Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ localiza-se desde 2015 no Ventura Corporate Towers, Av. República do Chile, 330, Torre Leste, 21.o andar (“Edifício Ventura”), uma das edificações mais modernas da América Latina e um dos únicos do estado com certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), contando com refrigeração central, internet, espaço físico amplo e com fácil acesso por metrô, ônibus ou carro, além de posto médico, centro de convenções, café, elevadores inteligentes, estacionamento, bicicletário e jardim externo.

O Programa conta também com toda a infraestrutura dos Prédios I (o conjunto arquitetônico histórico da Rua do Passeio, 98) e II (Largo da Lapa, 51) da Escola de Música da UFRJ, onde estão localizadas as salas de concerto (Salão Leopoldo Miguez, Sala da Congregação e Salão Henrique Oswald), que, junto aos espaços do Prédio II, abrigam as atividades artísticas dos grupos estáveis da Escola de Música, relacionadas a Projetos de Pesquisa do PPGM-UFRJ e de grupos camerísticos vinculados à Linha de Pesquisa “Práticas Interpretativas e seus Processos Reflexivos”, além de parte dos eventos científicos vinculados às demais Linhas de Pesquisa do Programa.

No conjunto histórico da Rua do Passeio localiza-se, ainda, a Biblioteca Alberto Nepomuceno da Escola de Música, acervo de referência da Linha de Pesquisa “História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-americana”. Este conjunto arquitetônico da Rua do Passeio (Prédio I) passa atualmente por um amplo processo reforma estrutural, cujas com demandas logísticas são atendidas pela Prefeitura e Escritório de Obras da UFRJ. O projeto em curso inclui, além de uma renovação completa de seus dois prédios históricos (inaugurados em 1913 e 1922), a construção de um edifício na área do terreno contígua à Escola Superior de Desenho Industrial da UERJ. Restrições orçamentárias têm contudo provocado atrasos e em certos aspectos a estagnação dos trabalhos.

Um aspecto único do PPGM-UFRJ no Edifício Ventura, fundamental para a consecução dos objetivo gerais do Programa quanto a aspectos como cooperação e parceria, abrangência de atuação e impacto (social, artístico-cultural e educacional sobretudo), é o fato de estar localizado em pleno corredor cultural da cidade, e assim em permanente interação com os mais importantes equipamentos culturais da cidade e mesmo do país: Sala Cecília Meireles e Espaço Guiomar Novaes, Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Museu de Arte Moderna (MAM), Fundição Progresso, Teatro Carlos Gomes, Teatro João Caetano, Real Gabinete Português de Leitura, Museu da Imagem e do Som, Museu Histórico Nacional, Biblioteca Nacional, Museu de Belas Artes e Centro Cultural Banco do Brasil, entre outros.

5.1 Infraestrutura geral

O PPGM-UFRJ conta com 16 salas em sua sede no Edifício Ventura, com as seguintes características e assim alocadas:

a) Sala 2104, de 20 m², exclusiva para disciplinas e atividades acadêmicas do PPGM-UFRJ e equipada com TV de 42 polegadas, mesas, cadeiras e quadro.

b) Auditório, com 40 m², de uso compartilhado entre PPGM-UFRJ, PROMUS e atividades da Escola de Música em geral. Com capacidade para 50 pessoas, tem sido utilizado em congressos e jornadas de menor porte, bem como para reuniões de colegiado, reuniões de equipes de trabalho e defesas de teses e dissertações.

c) Sala 2115, com 30 m², destinada ao Laboratório de Educação Musical (LabEM), abrigando disciplinas de Graduação e Pós-Graduação e orientações vinculadas à Linha de Pesquisa “Música, Educação e Diversidade”, com capacidade para 25 alunos. Os armários são equipados com instrumentos e equipamentos usados em educação musical, projetores e caixas de som.

d) Salas 2107 e 31 do Prédio I, com 15 m² cada, destinadas às atividades do Laboratório de Etnomusicologia, vinculadas à Linha de Pesquisa “Etnografia das Práticas Musicais” e compartilhadas com disciplinas de Graduação do Departamento de Musicologia e Educação Musical (04) de Escola de Música (para informações sobre a estrutura departamental da unidade, consultar https://musica.ufrj.br/index.php/gestao/departamentos).

e) Salas 2105 e 2106, com 15 m² cada, destinadas às atividades do Laboratório de Musicologia (LaMus-UFRJ), vinculadas à Linha de Pesquisa “História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-americana”. As salas são compartilhadas com disciplinas de Graduação do Departamento de Musicologia e Educação Musical (04) da Escola de Música, abrigando também atividades relacionadas à Revista Brasileira de Música (RBM), publicação do PPGM-UFRJ vinculada à Linha de Pesquisa “História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-americana”.

f) Salas 2101 e 2112, com 30 m² cada, destinadas ao Laboratório de Música e Tecnologia (LaMuT), abrigam aulas e orientações ligadas à linha de pesquisa “Poéticas da Criação Musical”, sendo compartilhadas com disciplinas de Graduação do Departamento de Composição (02) da Escola de Música. As salas abrigam, além das aulas, orientações de Mestrado e Doutorado e atividades de grupos de pesquisa.

g) Salas 20 a 26 do Prédio II (Rua da Lapa, 58), com 12 m² cada, abrigando aulas e orientações vinculadas ao Laboratório de Práticas Interpretativas (LaPI), com aulas e orientações de Mestrado e Doutorado. As salas são compartilhadas com o Programa de Pós-Graduação Profissional em Música (PROMUS) da Escola de Música.

h) Secretaria Acadêmica, com 40 m², contendo sala da coordenação, sala da secretaria acadêmica e espaços para reunião e orientação. Equipada com mesas de trabalho, computadores, impressoras, estantes, arquivos e armários, a sala é compartilhada com o Programa de Mestrado Profissional (PROMUS), mantendo contudo equipamentos e pessoal exclusivos ao PPGM-UFRJ.

5.2 Laboratórios

O funcionamento do PPGM-UFRJ é apoiado por cinco laboratórios, correspondendo todos às cinco Linhas de Pesquisa do Programa: 1) Laboratório de Educação Musical (LabEM); 2) Laboratório de Etnomusicologia (LE); 3) Laboratório de Musicologia (LaMus-UFRJ); 4) Laboratório de Música e Tecnologia (LaMuT); 5) Laboratório de Práticas Interpretativas (LaPI). Os quatro primeiros encontram-se instalados na sede do PPGM-UFRJ no Edifício Ventura, sendo providos com isso de refrigeração, pontos de internet a cabo, tomadas em padrão nacional, sinal Wi-Fi de alta velocidade, cadeiras, mesas, projetores dedicados e equipamentos de som e armários. O Laboratório de Etnomusicologia (LE) mantém seu acervo histórico em uma sala do edifício posterior do conjunto arquitetônico da Rua do Passeio (Prédio I da Escola de Música), enquanto o Laboratório de Práticas Interpretativas (LaPI) tem todas as suas instalações em amplo conjunto de salas do Prédio II (edifício contíguo à Sala Cecília Meireles no Largo da Lapa). Abaixo uma descrição pormenorizada de cada um dos laboratórios:

5.2.1 Laboratório de Educação Musical (LabEM)

Instalado em uma sala com 30 m² (sala 2115), atende à Linha de Pesquisa “Música, Educação e Diversidade” (Área de Concentração “Educação Musical”), compartilhando atividades com disciplinas de Graduação do Departamento de Musicologia e Educação Musical (04) da Escola de Música. O Laboratório de Educação Musical foi criado em 2018, uma vez estruturada e consolidada a Linha de Pesquisa, de recente formulação no âmbito do Programa.

5.2.2 Laboratório de Etnomusicologia (LE)

Ocupa uma sala de 15 m² cada no Edifício Ventura (salas 2107) e a sala 31 do Prédio I, onde é mantido seu acervo, apoiando a Linha de Pesquisa “Etnografia das Práticas Musicais” (Área de Concentração “Musicologia”) e compartilhando atividades com disciplinas de Graduação do Departamento de Musicologia e Educação Musical (04). Instituído em 2001, conta com o valiosíssimo acervo histórico do Centro de Pesquisas Folclóricas criado por Luiz Heitor Corrêa de Azevedo em 1943, consistindo em números aproximados de: 500 livros e folhetos, 50 periódicos nacionais, 50 periódicos internacionais, 500 partituras manuscritas, 1.500 documentos textuais, 300 fotografias, 500 recortes de jornais, e 2.000 discos e fitas (incluindo as coleções dos primeiros discos produzidos no Brasil, de 1902 a 1917, e as coleções das viagens de coleta fonográfica de música folclórica de Luiz Heitor Corrêa de Azevedo).

Entre as iniciativas do Laboratório, destaca-se o projeto vinculado “Música da Maré”, envolvendo docentes do PPGM-UFRJ, membros externos (como Pedro Rebelo, da Queen’s University Belfast) e discentes da EM-UFRJ e de outras unidades. Já o Projeto de Extensão “Música em Debate” dá continuidade à série homônima, iniciada em 2002 como resposta à demanda do corpo discente da Linha de Pesquisa “Etnografia das Práticas Musicais” por um canal interdisciplinar de diálogo, no âmbito do Programa, com saberes construídos em âmbito externo à universidade. Desde então, a partir do conceito básico de apresentações públicas de convidados externos à UFRJ, nacionais e estrangeiros, que atuam em diferentes áreas de conhecimento, mas também de ação e gestão culturais, a série vem sendo realizada sob diferentes formatos (isto é, com variado número de convidados e periodicidade flexível) e condições de realização (com apoio de órgãos de fomento como FAPERJ e CNPq, ou convênios como o estabelecido entre UFRJ e Banco do Brasil).

5.2.3 Laboratório de Musicologia (LaMus-UFRJ)

Instalado em duas salas de 15 m² cada no Edifício Ventura (salas 2105 e 2106), o Laboratório de Musicologia (LaMus-UFRJ) foi criado em 2013 com o propósito de fornecer apoio às atividades de ensino, pesquisa e extensão da Linha de Pesquisa “História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-americana” (Área de Concentração “Musicologia”) vinculadas a projetos e grupos de pesquisa do PPGM-UFRJ.

São objetivos do LaMus-UFRJ promover atividades relativas a acordos de cooperação e convênios interinstitucionais, nacionais e internacionais da Área de Concentração “Musicologia”, apoiar atividades editoriais vinculadas à Linha de Pesquisa “História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-americana”, oferecer consultoria e desenvolver projetos no âmbito da Linha de Pesquisa, sobretudo em cooperação com a Biblioteca Alberto Nepomuceno (BAN) da Escola de Música, um dos maiores e mais relevantes acervos musicais da América Latina e referência para as pesquisas da Área de Concentração a que se vincula o Laboratório.

As produções no âmbito do LaMus-UFRJ indicam, como sua vocação principal, servir como polo de formulação de parcerias interinstitucionais levando a eventos científicos em torno de eixos temáticos definidos, resultando em publicações que colaborem para o desenvolvimento da Musicologia no país. A tal ênfase soma-se o trabalho de pesquisa, digitalização e editoração crítica do acervo de manuscritos da Biblioteca Alberto Nepomuceno (BAN) da Escola de Música empreendido por professores da Linha de Pesquisa “História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-americana”.

5.2.4 Laboratório de Música e Tecnologia (LaMuT)

Ocupa duas salas de 30m2 cada (salas 2101 e 2112), atendendo à Linha de Pesquisa “Poéticas da Criação Musical” (Área de Concentração “Processos Criativos”) e compartilhando atividades com disciplinas de Graduação do Departamento de Composição (02) da Escola de Música. Instituído em 1995 com financiamento do CNPq, que possibilitou a aquisição da maior parte de seus equipamentos, o Laboratório tem por objetivos a pesquisa e o ensino ligados à produção da música eletroacústica, ao estudo dos processos tecnológicos em música e à análise e composição assistidas por computador. O equipamento possibilita também a realização de difusão em concertos com até 16 canais, possuindo ainda recursos de gravação e processamento em nível profissional. O LaMuT tem apoiado a realização de concertos e palestras de grupos, pesquisadores e artistas internacionais, como o Groupe de Recherches Musicales (GRM), o International Contemporary Ensemble (ICE), Anne-Marie Berger e Mauricio Meza, entre muitos outros, além de Projetos de Extensão (por exemplo o projeto “Compositores”) e atividades dos Grupos de Pesquisa do Programa.

São equipamentos do LaMuT: Computadores: 1 microcomputador PC / 1 notebook Sony Vaio; Projetor: 1 projetor multimídia Sony VLP CX11; Mesas: 1 mixer Behringer Xenyx 2442FX / 1 mixer Mackie 1604 VLZ / 1 mesa Scarlett Focusrite; Gravação: 1 DAT Sony PCM-M1 (com mics) / 1 Tape Deck Double Cassette JVC TD-W118 / 1 Sony minidisc recorder MDS E12 / 1 Sony Audio Mixer SRP-V200 / 1 monitor Sony SDM-HS75 / 1 Fone de ouvidos Sony MDR 7506; Amplificadores: 2 amplis Alesis RA100 / 2 amplis CREST CA-6 / 1 ampli CREST CA-2 / 5 amplis Sony SRP-P50; Caixas: 4 caixas Celestion CX1520 / 2 caixas Celestion KR2 / 2 caixas Alesis Monitor Two / 2 caixas Alesis Monitor One / 7 caixas Sony SRP-S720; Microfones: 2 mics AKG C-414 B-ULS / 8 mics Sony C48 / 2 mics Sony F-720 / 1 Mic Sony ECM-MS957; Pedais: 1 pedal Phaser MXR phase 100 / 1 pedal Noise Gate MXR / 1 Phaser MU-TRON; Teclados: 2 teclados Yamaha PSR-520 / 2 sintetizadores Yamaha DX7 / 2 sintetizadores Arp Odissey; Suportes: 1 estante para teclado / 2 suportes de teclados / 4 pedestais de Caixas / 2 pedestais de microfone / 1 suporte de mixer; Acessórios: 1 joystick.

5.2.5 Laboratório de Práticas Interpretativas (LaPI)

O Laboratório de Práticas Interpretativas ocupa seis salas individualizadas e equipadas de 12m2 cada no Prédio II da Escola de Música. É constituído de cinco núcleos 1) Centro de Estudos dos Instrumentos de Sopros; 2) Centro de Estudos Orquestrais; 3) Sala de Percussão; 4) Laboratório de Cravo e Instrumentos Antigos; e 5) Centro de Estudos de Música Coral. Para o desenvolvimento das atividades de pesquisa da linha “Práticas Interpretativas e seus Processos Reflexivos”, seja na forma de aulas, experimentos, ensaios, apresentações, palestras ou masterclasses, o Laboratório conta com a colaboração dos conjuntos estáveis da Escola de Música – orquestras (Orquestra Sinfônica da UFRJ, Orquestra de Sopros da UFRJ, UFRJazz), coros (Brasil Ensemble, Sacra Vox e Coro Infantil da UFRJ) e conjuntos de câmara – e com a infraestrutura de salas de concerto, equipadas com pianos de concerto Steinway e demais recursos para a cena musical (incluindo o órgão Tamburini da Escola de Música, localizado no Salão Leopoldo Miguez).

5.3 Recursos de informática

Com sua instalação no ano de 2015 na nova sede da Escola de Música da UFRJ do Edifício Ventura, no Centro do Rio, o PPGM-UFRJ passou a contar com uma infraestrutura moderna de informática, com internet de alta velocidade, sala de videoconferências e salas com conexões. Todo o registro de inscrições, notas e informações acadêmicas são mantidas em um servidor central da UFRJ, comum a todas unidades da universidade, e geridas por um Sistema Integrado de Gestão Acadêmica (SIGA). O PPGM-UFRJ comunica-se com seus corpos docente e discente através de seu sítio eletrônico (www.ppgm.musica.ufrj.br), mantido em servidor próprio da UFRJ (NCE), e através das redes sociais através de suas páginas no Facebook (https://www.facebook.com/ppgmufrj) e no Instagram (https://www.instagram.com/ppgmufrj).

5.4 Biblioteca

5.4.1 Estrutura física

A Biblioteca Alberto Nepomuceno (BAN) da Escola de Música situa-se na segunda das duas edificações do Prédio I da Escola de Música da UFRJ (Rua do Passeio, 98). Ocupa três salões do edifício de 1913, um total de 140m2 para recepção, consultas e acomodação do patrimônio. Seu acervo é considerado um dos mais importantes da América Latina, com manuscritos, partituras, livros, registros fonográficos e documentos históricos raros ou únicos. Restrito de 2015 a 2017 em decorrência de problemas estruturais, o acesso físico à Biblioteca foi restabelecido em 2018, embora a reforma da edificação não tenha sido ainda concluída. Todo o processamento técnico encontra-se automatizado e o catálogo disponível para consulta na base de dados de registros bibliográficos das bibliotecas da UFRJ, a Base Minerva.

5.4.2 Objetivos

Entre os principais objetivos da Biblioteca Alberto Nepomuceno (BAN) estão: a) dar suporte aos programas de ensino, pesquisa e extensão da Universidade; b) formular políticas de preservação dos acervos; c) implementar políticas de desenvolvimento das coleções; d) contribuir para o gerenciamento da Base Minerva, incluindo a manutenção do servidor hospedeiro; e) contribuir para a divulgação da produção científica das unidades e Programas de Pós-Graduação da UFRJ.

5.4.3 Acervo

O volume do acervo disponível para consulta (obras catalogadas na base e processadas manualmente) constitui-se de aproximadamente: 60.000 partituras impressas, 7.000 partituras manuscritas, 20.000 documentos históricos (arquivos pessoais, programas de concerto, acervo iconográfico), 8.000 livros, dissertações e teses, 17.000 fascículos de periódicos, periódicos correntes (25 títulos nacionais e 38 títulos estrangeiros), periódicos não correntes (114 títulos nacionais e 138 títulos estrangeiros) e 17.272 fascículos. Estão disponíveis para consulta, ainda, 345 títulos de periódicos através do Portal CAPES, com acesso ainda às bases “RILM Abstracts of Music Literature”, “Grove Music Online” e “Oxford Dictionary of Music”. A biblioteca oferece também a seus usuários serviços de comutação bibliográfica e empréstimo entre bibliotecas. O acervo da BAN vem sendo atualizado e recebeu um aporte significativo no último quadriênio, com aquisição regular de novos títulos desde então.

Visando à expansão de seu acervo, a Biblioteca Alberto Nepomuceno recebe regularmente doações variados tipos documentação musical, que passam a ser objeto de processamento, pesquisa e digitalização. Em 2011, recebeu o acervo da musicóloga Cleofe Person de Mattos, e em 2015 aquele dos compositores José Siqueira e Baptista Siqueira. Em reconhecimento da relevância de seu acervo e atuação, a biblioteca recebeu em 2018 o certificado de “Registro Internacional do Programa Memória do Mundo” da UNESCO, em registro relativo às obras manuscritas de Antônio Carlos Gomes nela depositadas, um dos mais importantes conjuntos de sua coleção geral de manuscritos.

5.4.4 Projetos e interfaces

Em parceria com a DocPro-Bibliotecas Virtuais, foram digitalizadas 3.500 páginas do acervo da BAN, entre obras raras, partituras manuscritas, documentos históricos e fotografias, conjunto que deu origem à Biblioteca Digital da Escola de Música da UFRJ (http://www.docpro.com.br/escolademusica/bibliotecadigital.html). O PPGM-UFRJ conta ainda com os recursos do Sistema de Bibliotecas e Informação da UFRJ (SiBI), que coordena as ações de integração das bibliotecas à realidade educacional e administrativa da universidade. O sistema implementa políticas de planejamento, fomento à pesquisa, gerenciamento de tecnologias e desenvolvimento de acervos e serviços de informação. Todos os metadados de dissertações e teses do PPGM-UFRJ (de 1980 até 2019) podem ser acessados através da Base Minerva (endereço constante na capa do sítio eletrônico do PPGM-UFRJ), ou ainda, desde 2018, pelo Banco de Teses e Dissertações do PPGM-UFRJ, na própria página do Programa, que oferece ferramentas de busca detalhada dentro do acervo de dissertações. As dissertações podem ser acessadas em volume físico na Biblioteca, estando em curso projeto de digitalização de todos os volumes: encontram-se já disponibilizados os volumes históricos da década de 1980 e os trabalhos do interstício 1990-1994, e espera-se completar no próximo período todos os volumes restantes, até 1997 (quando os trabalhos passaram a ser depositados em formato digital, já estando portanto disponíveis em todos os canais).

A BAN está permanentemente conectada à rede mundial de computadores, disponibilizando aos usuários 12 computadores para acesso às bases de dados. Acesso remoto é oferecido aos alunos de Pós-Graduação, professores e demais servidores da UFRJ, através do qual os usuários podem acessar o Portal de Periódicos CAPES e demais assinaturas mantidas pela instituição fora do campus. Além disso, a rede de bibliotecas da UFRJ recebe cópias de teses e dissertações para depósito legal na Centro de Memória Acadêmica (obrigatório para unidades de ensino) e nas bibliotecas de unidades (opcional para alunos), havendo ainda a possibilidade de disponibilização dos trabalhos acadêmicos para acesso livre na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRJ.

5.5 Outras informações

5.5.1 Secretaria Acadêmica

A Secretaria Acadêmica conta com equipe técnico-administrativa composta por três funcionários dedicados exclusivamente à gestão administrativa e atendimento ao público, cuja carga diminuiu significativamente a partir da implantação de serviços online.

Os funcionários técnico-administrativos responsabilizam-se também pela dinâmica de trabalhos específicos: a) gerenciamento do sistema de gestão acadêmica (SIGA); b) acompanhamento da rotina/calendário administrativo; c) acompanhamento de prazos para os ritos acadêmicos (em cooperação com as coordenações de linha); d) produção de documentação acadêmica; e) controle de bolsistas e atualização do cadastro de discentes; f) operação do uso de verba PROAP (tramitação de documentação com o setor financeiro da Unidade e a Pró-Reitoria de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças); g) manutenção e fechamento de arquivos para atualização da página eletrônica do Programa; h) apoio gerencial à Revista Brasileira de Música (periódico científico do Programa); i) secretaria da Comissão Deliberativa e coordenação executiva de eventos (Colóquio de Pesquisa do PPGM-UFRJ, Simpósio de Práticas Interpretativas, Simpósio Internacional de Musicologia, Semana do Cravo etc.); j) Gestão do Banco de Teses e Dissertações do PPGM-UFRJ.

A sala da Secretaria Acadêmica conta com infraestrutura completa de administração, com computadores, impressoras, rede de telefonia e internet, arquivos classificadores e sala de reuniões. Toda a estrutura encontra-se em funcionamento no Edifício Ventura: Av. Chile, 330 – 21o andar – Torre Leste – Tel: (21) 2262-8742.