Infraestrutura

5. INFRAESTRUTURA

O Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ (PPGM-UFRJ) localiza-se, desde 2015, no Ventura Corporate Towers, Av. República do Chile, 330, Torre Leste, 21o. Andar, um dos prédios mais modernos da América Latina e um dos únicos do estado com certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), contando com refrigeração central, internet, espaço físico amplo e com fácil acesso por metrô, ônibus ou carro, tendo também posto médico, centro de convenções, café, elevadores inteligentes, estacionamento, bicicletário e jardim externo.

Além disso, o programa conta também com a infraestrutura presente nos Prédios I (Rua do Passeio, 98) e II (Largo da Lapa, 51) da Escola de Música da UFRJ, onde estão localizados os salões de concerto (Salão Leopoldo Miguez, Sala da Congregação e Sala Henrique Osvald), que, junto com as salas do Prédio II, abrigam as atividades artísticas relacionadas aos projetos, bem como aos ensaios da Orquestra Sinfônica da UFRJ e aos grupos de câmara ligados à linha “As práticas interpretativas e seus processos reflexivos”.

No momento, o Prédio I (Rua do Passeio) passa por reforma estrutural, com demandas logísticas atendidas pela Prefeitura e Escritório de Obras da UFRJ. Um novo projeto arquitetônico, que inclui a reforma completa dos prédios históricos da Universidade, bem como a construção de uma torre nos fundos do terreno do Prédio I da Escola de Música, encotra-se em curso, mas com dificuldades orçamentárias que têm provocado a eventual estagnação do andamento das obras.

O PPGM-UFRJ (Edifício Ventura) funciona em pleno corredor cultural da cidade, possibilitando a interação com importantes equipamentos culturais instalados nas cercanias:

1) Sala Cecília Meireles;
2) Theatro Municipal do Rio de Janeiro;
3) Museu de Arte Moderna (MAM);
4) Fundição Progresso, Teatro Carlos Gomes;
5) Teatro João Caetano;
6) Real Gabinete Português de Leitura;
7) Museu da Imagem e do Som;
8) Museu Histórico Nacional;
9) Biblioteca Nacional;
10) Museu de Belas Artes;
11) Centro Cultural Banco do Brasil, entre outros.

5.1. Salas

O PPGM-UFRJ conta com 16 salas:

a) Sala 2104, com 20 m², exclusiva para disciplinas e atividades acadêmicas do PPGM-UFRJ. A sala contém TV de 42 polegadas, mesas, cadeiras, quadro.

b) Auditório, com 40 m², de uso comum entre o PPGM-UFRJ, PROMUS e atividades da Escola de Música em geral. O Auditório comporta cerca de 50 pessoas e tem funcionado para congressos e jornadas de pequeno porte, assim como reuniões, equipes de trabalho e defesas de trabalhos.

c) Sala 2115, com 30 m², destinada ao Laboratório de Educação Musical (LabEM), abriga aulas, tanto de Graduação quanto de Pós-Graduação, e orientações vinculados à linha “Música, Educação e Diversidade”, com capacidade para 25 alunos. Os armários são equipados com instrumentos e equipamentos usados em educação musical, projetores e caixas de som.

d) Salas 2107 e 2108, e sala 31 do Prédio I, com 15 m² cada, destinadas às atividades do Laboratório de Etnomusicologia, ligadas à linha “Etnografia das Práticas Musicais”. As salas são compartilhadas com disciplinas da Graduação do Departamento de Musicologia e Educação Musical, e abrigam também atividades do grupo de pesquisa “Laboratório de Etnomusicologia”.

e) Salas 2105 e 2106, com 15 m² cada, destinadas às atividades do Laboratório de Musicologia, ligadas à linha “História e documentação da música brasileira e ibero-americana. As salas são compartilhadas com disciplinas da Graduação do Departamento de Musicologia e Educação Musical, e abrigam também atividades relacionadas à Revista Brasileira de Música (RBM).

f) Salas 2101 e 2112, com 30 m² cada, destinadas ao Laboratório de Música e Tecnologia (LaMuT), abriga aulas e orientações ligadas à linha de pesquisa “Poéticas da criação musical” e é compartilhada com disciplinas de Graduação do Departamento de Composição. As salas abrigam, além das aulas, orientações de Mestrado, Doutorado, atividades e reuniões de grupos de pesquisa.

g) Salas 20 a 26 do Prédio II (Rua da Lapa, 56), com 12 m² cada, abriga aulas e orientações vinculadas ao funcionamento do Laboratório de Práticas Interpretativas (LaPI), com aulas, orientações de Mestrado e Doutorado. Essas salas são compartilhadas também com o Programa de Pós-Graduação Profissional em Música (PROMUS).

h) Secretaria Acadêmica, com 40 m², contendo sala de coordenação, sala da secretaria acadêmica, e espaços para reunião e orientação. A sala contém mesas de trabalho, computadores, impressoras, estantes, arquivos e armários. A sala é compartilhada com o Programa de Mestrado Profissional (PROMUS), mantendo equipamentos e pessoal exclusivos.

5.2. Laboratórios

O PPGM-UFRJ possui no momento cinco laboratórios, correspondentes às linhas de pesquisa desenvolvidas no programa.

5.2.1. Laboratório de Educação Musical (LabEM)

Ocupa uma sala com 30 m² (sala 2115), com refrigeração, pontos de Internet a cabo, tomadas em padrão nacional, servidas de Internet Wi-Fi de alta velocidade, cadeiras, mesas, projetores dedicados, equipamentos de som e armários.

Atende à linha “Música, Educação e Diversidade” (Área de Educação Musical), compartilhando atividades com a Graduação, principalmente com as disciplnas do Departamento de Musicologia e Educação Musical.

Foi criado em 2018, uma vez estruturada e consolidada a estrutura da linha de pesquisa, de recente formulação dentro do Programa.

5.2.2. Laboratório de Etnomusicologia (LE)

Ocupa duas salas de 15 m² cada (salas 2107 e 2108), ambas com refrigeração, pontos de Internet a cabo, tomadas em padrão nacional, servidas de Internet Wi-Fi de alta velocidade, cadeiras, mesas, projetores dedicados, equipamentos de som e armários. Ocupa também a sala 31 do Prédio I (Sede Passeio da Escola de Música da UFRJ), onde é mantido seu acervo.

Atende à linha “Etnografia das práticas musicais” (Área de Musicologia), compartilhando também atividades com a Graduação, principalmente com disciplinas do Departamento de Musicologia e Educação Musical.

Foi criado em 2001 e conta com o importante acervo do Centro de Pesquisas Folclóricas, criado por Luiz Heitor Corrêa de Azevedo, em 1943, do qual fazem parte (em números aproximados):

500 livros e folhetos
50 periódicos nacionais
50 periódicos internacionais
500 partituras manuscritas
1.500 documentos textuais
300 fotografias
500 recortes de jornais, e
2.000 discos (dentre os quais as coleções dos primeiros discos produzidos no Brasil, de 1902 a 1917; e as coleções das viagens de coleta fonográfica de música folclórica de Luiz Heitor) e fitas.

Entre os projetos ligados ao Laboratório, destaca-se o recente Música da Maré, que envolve docentes do PPGM-UFRJ e externos (como o professor Pedro Rebelo, de Belfast) e discentes da EM-UFRJ e de outras unidades.

O projeto de extensão Música em Debate dá continuidade à série homônima, iniciada em 2002, em princípio como desdobramento de demandas de alunos da linha Etnografia de Práticas Musicais por mais um canal para a interdisciplinaridade e diálogo com os saberes gerados além da universidade no âmbito do Programa.

Desde então, a partir do conceito básico de apresentações públicas de convidados externos à UFRJ, nacionais e estrangeiros, que atuam em diferentes áreas de conhecimento, mas também de ação e gestão culturais, a Série vem sendo realizada sob diferentes formatos (por exemplo, apenas um ou uma dupla de convidados por sessão, periodicidade mensal ou bisemanal etc.) e condições de realização (por exemplo, com apoio de órgãos de fomento como FAPERJ e CNPq ou convênios como o da UFRJ com o Banco do Brasil).

5.2.3. Laboratório de Musicologia (LaMus)

Criado em 2013, o Laboratório de Musicologia (LaMus) da Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro define-se como estrutura técnica destina-se às atividades acadêmicas de ensino, pesquisa e extensão relacionadas à Linha de Pesquisa “História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-Americana” (Área de Concentração Musicologia) que mantenham vínculo com o desenvolvimento de projetos e grupos de pesquisa credenciados no Programa de Pós-graduação em Música da Escola de Música. São objetivos do LaMus:

1. Apoiar as atividades vinculadas às disciplinas obrigatórias e optativas do currículo de pós-graduação, vinculadas à Linha de Pesquisa “História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-Americana” e relacionadas aos projetos e grupos de pesquisa de seus docentes;

2. Dar suporte às atividades de pesquisa dos cursos de graduação e pós-graduação da Escola de Música relacionadas aos projetos e grupos de pesquisa da Área de Concentração Musicologia / Linha de Pesquisa “História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-Americana”;

3. Possibilitar a execução de projetos da Linha de Pesquisa “História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-Americana”, inclusive em colaboração com outras instâncias acadêmicas e instituições;

4. Propiciar as condições necessárias para a consecução de atividades de extensão promovidas pela Linha de Pesquisa “História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-Americana”, inclusive em colaboração com instâncias acadêmicas;

5. Dar suporte às atividades editoriais vinculadas ao Programa de Pós-graduação em Música e à Linha de Pesquisa “História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-Americana”, no âmbito da Editora da Escola de Música, órgão complementar da área técnica da Escola de Música;

6. Promover e dar suporte às atividades relativas a acordos de cooperação e convênios inter-institucionais, nacionais e internacionais, especialmente da Área de Concentração Musicologia / Linha de Pesquisa “História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-Americana”; e

7. Oferecer consultoria, desenvolver projetos, captação de recursos e equipamentos para projetos de interesse da Linha de Pesquisa “História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-Americana”, incluindo principalmente projetos em cooperação com a Biblioteca Alberto Nepomuceno (BAN) da Escola de Música, um dos principais acervos de documentos musicais da América Latina, referência para as pesquisas da linha de História e documentação da música brasileira e ibero-americana (Musicologia).

O LaMus é destinado às atividades curriculares previstas pela Área de Concentração Musicologia / Linha de Pesquisa “História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-Americana” do Programa de Pós-graduação em Música (relacionadas à disciplinas de graduação e pós-graduação) e ao desenvolvimento de pesquisas musicológicas coordenadas por docentes do Programa vinculadas a projetos e grupos de pesquisa aprovados pela Comissão Deliberativa do Programa.

O LaMus conta com recursos físico-estruturais da Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro e com o apoio de técnicos lotados na Escola de Música, ocupando duas salas de 15 m2 (salas 2105 e 2106 do Edifício Ventura à Av. Chile 330), ambas especialmente reservadas e acondicionadas para as suas funções, e servidas de iluminação, instalações elétricas, acesso à internet e climatização adequados.

O apoio de técnicos lotados na Escola de Música visa não apenas a assistência de docentes e discentes no uso dos equipamentos e a verificação periódica de sua guarda e perfeito funcionamento e seu eventual temporário transporte para outros locais, mas também e sobretudo assistir docentes da Área de Concentração Musicologia, Linha de Pesquisa “História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-Americana” do Programa de Pós-graduação em Música na captação de recursos junto às agências de fomento e instâncias internas da Universidade para projetos e grupos de pesquisa, de desenvolvimento e de extensão vinculados ao Programa (incluindo apoio a organização ou participação em eventos científicos e auxílio à publicação/editoração).

As produções indicam uma das principais vocações do LaMus, que é servir como polo de formulação de parcerias inter-institucionais levando a eventos científicos geradores de conhecimento em torno de eixos temáticos definidos resultando em publicações que colaborem para o fortalecimento da Área de Concentração Musicologia no país.

Tal ênfase soma-se, assim, ao trabalho de pesquisa, digitalização e editoração crítica do acervo de manuscritos da Biblioteca Alberto Nepomuceno (BAN) da Escola de Música empreendido especialmente por professores Linha de Pesquisa “História e Documentação da Música Brasileira e Ibero-Americana”.

5.2.4. Laboratório de Música e Tecnologia (LaMuT)

Ocupa duas salas de 30 metros quadrados cada (salas 2101 e 2112), ambas com refrigeração, pontos de Internet a cabo, tomadas em padrão nacional, servidas de Internet Wi-Fi de alta velocidade, cadeiras, mesas, projetores dedicados, equipamentos de som e armários.

Atende à linha “Poéticas da criação musical” (Área de Processos Criativos), compartilhando também atividades com a Graduação, principalmente com disciplinas do Departamento de Composição.

Criado em 1995, graças a um projeto ligado ao CNPq, que financiou a maior parte de seus equipamentos, tem por objetivos a pesquisa e o ensino ligados à produção da música eletroacústica, ao estudo dos processos tecnológicos em música e à análise e composição assistidas por computador.

O equipamento também possibilita a realização de difusão em concertos com até 16 canais e tem recursos de gravação e processamento em nível profissional.

O LaMuT tem apoiado a realização de concertos e palestras de pesquisadores e artistas internacionais, como o GRM, International Contemporary Ensemble, Anne-Marie Berger e Mauricio Meza, entre muitos outros, além de Projetos de extensão (como o Projeto Compositores) e as atividades dos Grupos de Pesquisa.

5.2.1.1. Equipamentos do LaMuT

Computadores: 1 micro computador PC / 1 notebook sony vaio. Projetor: 1 projetor multimedia Sony VLP CX11. Mesas: 1 mixer Behringer Xenyx 2442FX / 1 mixer Mackie 1604 VLZ / 1 mesa Scarlett Focusrite. Gravação: 1 DAT Sony PCM-M1 (com mics) / 1 Tape Deck Double Cassette JVC TD-W118 / 1 Sony minidisc recorder MDS E12 / 1 Sony Audio Mixer SRP-V200 / 1 monitor Sony SDM-HS75 / 1 Fone de ouvidos Sony MDR 7506. Amplificadores: 2 amplis Alesis RA100 / 2 amplis CREST CA-6 / 1 ampli CREST CA-2 / 5 amplis Sony SRP-P50. Caixas: 4 caixas Celestion CX1520 / 2 caixas Celestion KR2 / 2 caixas Alesis Monitor Two / 2 caixas Alesis Monitor One / 7 caixas Sony SRP-S720. Microfones: 2 mics AKG C-414 B-ULS / 8 mics Sony C48 / 2 mics Sony F-720 / 1 mic Sony ECM-MS957. Pedais: 1 pedal Phaser MXR phase 100 / 1 pedal Noise Gate MXR / 1 Phaser MU-TRON. Teclados: 2 teclados Yamaha PSR-520 / 2 sintetizadores Yamaha DX7 / 2 sintetizadores Arp Odissey. Suportes: 1 estante para teclado / 2 suportes de teclados / 4 pedestais de Caixas / 2 pedestais de microfone / 1 suporte de mixer. Acessórios: 1 joystick

5.2.5. Laboratório de Práticas Interpretativas (LaPI)

Ocupa 6 salas de 12 m2, é atualmente constituído por quatro núcleos, com salas individualizadas e equipadas no prédio II da Escola de Música, situado ao lado da Sala Cecília Meireles:

a) Centro de Estudos dos Instrumentos de Sopros;
b) Centro de Estudos Orquestrais;
c) Sala de Percussão;
d) Laboratório de Cravo e Instrumentos Antigos.

Todos os conjuntos estáveis da Escola de Música (Orquestra Sinfônica da UFRJ, Orquestra de Sopros da UFRJ, UFRJazz), os principais coros (Brasil Ensemble, SacraVox, Coro Infantil da UFRJ) e os conjuntos de câmara, assim como suas salas e salões de concerto, equipados com pianos de concerto Steinway e demais recursos para a cena musical, são disponibilizados às atividades de pesquisa da linha “Práticas interpretativas e seus processos reflexivos”, para aulas, experimentos, ensaios, apresentações, palestras e masterclasses.

5.3. Recursos de informática

A partir de março de 2015, o PPGM-UFRJ, em sua nova sede no Edifício Ventura, no centro do RJ, passou a contar com uma infraestrutura moderna de informática, com Internet de alta velocidade, sala de vídeoconferências, e salas com conexões.

Além do prédio novo, os salões da sede Centro, já reformados, também dispõem de equipamento completo para palestras, como telões, projetores e computadores.

Todo o registro de inscrições, notas e informações acadêmicas são mantidas em servidor central da UFRJ, comum a todas as Unidades, através do Sistema Integrado de Gestão Acadêmica – SIGA.

O PPGM-UFRJ também tem comunicação com alunos e docentes através de seu site (www.ppgm.musica.ufrj.br), mantido em servidor próprio da UFRJ (NCE) e através das redes sociais, em sua página do Facebook (https://www.facebook.com/ppgmufrj) e Instagram (https://www.instagram.com/ppgmufrj).

5.4. Biblioteca

5.4.1. Estrutura física

A Biblioteca Alberto Nepomuceno (BAN) situa-se no Prédio I da Escola de Música da UFRJ, Rua do Passeio, 98, Centro. Ocupa três salões do Prédio, cada um com 80 m2, com 60 m2 para a recepção e espaço para consultas e o restante para a acomodação do patrimônio.

O Prédio data de 1848 e seu acervo é um dos mais importantes da América Latina, constituindo-se de documentos, partituras, livros e registros fonográficos, históricos, muitos deles raros ou mesmo únicos. Desde 2015, o acesso físico à Biblioteca está restrito, devido a problemas estruturais no Prédio, que está passando, por outro lado, por um profundo processo de reforma.

Ainda assim, todo o processamento técnico encontra-se automatizado e o catálogo está disponível para consulta na base de dados dos registros bibliográficos das bibliotecas da UFRJ, a Base Minerva.

5.4.2. Objetivos

Como alguns de seus objetivos principais estão:

a) suporte aos programas de ensino, pesquisa e extensão da Universidade;
b) políticas de preservação de acervos;
c) implementação de políticas de desenvolvimento de coleções;
d) gerenciamento da Base de Dados Minerva, proporcionando a permanente manutenção do servidor hospedeiro;
e) divulgação da produção científica da UFRJ.

5.4.3. Acervo

O volume do acervo disponível para consulta (obras catalogadas na base e processadas manualmente) constitui-se aproximadamente de:

a) 60.000 partituras impressas;
b) 7.000 partituras manuscritas;
c) 20.000 documentos históricos (arquivos pessoais, programas de concerto, acervo iconográfico);
d) 8.000 livros e teses;
e) 17.000 fascículos de periódicos;
f) Periódicos correntes (25 títulos nacionais e 38 títulos estrangeiros);
g) Periódicos não correntes (114 títulos nacionais e 138 títulos estrangeiros);
h) 17.272 fascículos;
i) 345 títulos de periódicos através do Portal da CAPES;
j) Acesso às bases RILM Abstracts of Music Literature, Grove Music Online e Oxford Dictionary of Music.

A BAN oferece a seus usuários serviços de digitalização de obras, comutação bibliográfica e empréstimo entre bibliotecas. O acervo da BAN vem sendo sistematicamente atualizado e recebeu um aporte significativo no último quadriênio. A aquisição de novos títulos tem sido regular, desde então.

5.4.4. Projetos e interfaces

Em recente parceria com a DocPro-Bibliotecas Virtuais, 3.500 páginas do acervo da BAN foram digitalizadas, dentre obras raras, partituras manuscritas, documentos históricos e fotografias, nascendo assim a Biblioteca Digital da Escola de Música da UFRJ. A Biblioteca Digital vem sendo agora ampliada, a partir do acordo de colaboração com a Universidade de Chicago, através da Mellon Foundation, recebendo a doação de equipamentos para digitalização de manuscritos do seu acervo. Todo o acervo referente àquele acordo já foi digitalizado e em breve estará disponível na nova página eletrônica da BAN.

Além disso, a Biblioteca recebe regularmente doações de acervos variados e todo tipo de contribuição em termos de documentação musical. Em 2011, a BAN festejou a chegada dos acervos da musicóloga Cleofe Person de Matos e dos compositores José Siqueira e Baptista Siqueira. A BAN está conectada permanentemente à rede mundial de computadores e disponibiliza aos usuários 12 computadores para acesso às bases de dados.

Em 2018, a BAN recebeu o certificado de Registro Internacional do Programa Memória do Mundo da UNESCO. O registro é em relação as obras manuscritas raras do compositor Carlos Gomes, uma das mais importantes da coleção de manuscritos.

O Programa conta ainda com os recursos do Sistema de Bibliotecas e Informação da UFRJ SiBI, que coordena as ações de integração das bibliotecas à realidade educacional e administrativa da universidade. O sistema implementa políticas de planejamento, fomento à pesquisa, gerenciamento de tecnologias e desenvolvimento de acervos e serviços de informação.

Todas os metadados das dissertações do PPGM-UFRJ são acessíveis através da Base Minerva (endereço constante na capa do sítio do PPGM-UFRJ) ou ainda, a partir de 2018, pelo Banco de Dissertações do PPGM-UFRJ, no sítio do programa, que oferece ferramentas de busca ainda mais detalhadas dentro do acervo de dissertações.

As dissertações históricas são acessíveis em volume físico presencialmente, na Biblioteca; está em curso no momento um projeto de digitalização de todos os volumes históricos, tendo sido completados e disponibilizados os volumes relativos à década de 1980 e do ano de 1990 até 1994; espera-se completar todos os volumes restantes até o ano de 1997, quando todos os trabalhos já são entregues em formato digital e já estão disponíveis em todos os canais.

O acesso remoto é um serviço oferecido aos alunos de pós-graduação, professores e demais servidores da UFRJ. Com este acesso os usuários podem pesquisar no Portal de Periódicos CAPES e demais assinaturas mantidas pela Instituição fora do campus. Além disso, a rede de bibliotecas da UFRJ recebe cópias de teses e dissertações para depósito legal na Central de Memória Acadêmica (obrigatório para unidades de ensino) e nas bibliotecas de unidades (opcional para alunos), havendo ainda a possibilidade de disponibilização dos trabalhos acadêmicos para acesso livre na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFRJ.

5.5. Outras informações

5.5.1. Secretaria Acadêmica

A secretaria acadêmica conta com equipe técnico-administrativa composta por duas funcionárias dedicadas exclusivamente à gestão administrativa e atendimento ao público, cuja carga diminuiu significativamente a partir da implantação de serviços online.

Os funcionários são também responsáveis pela dinâmica de trabalhos específicos:

1) gerenciamento do sistema de gestão acadêmica (SIGA);
2) acompanhamento da rotina/calendário administrativo;
3) acompanhamento de prazos para os ritos acadêmicos (em cooperação com as coordenações de linha);
4) produção de documentação acadêmica;
5) controle de bolsistas e atualização do cadastro de discentes;
6) operação do uso de verba PROAP (tramitação de documentação com o setor financeiro da Unidade e a Pró-Reitoria de Planejamento, Desenvolvimento e Finanças);
7) manutenção e fechamento de arquivos para atualização da página eletrônica do Programa;
8) apoio gerencial à Revista Brasileira de Música (periódico científico do Programa);
9) secretaria da Comissão Deliberativa e coordenação executiva de eventos (Colóquio de Pesquisa do PPGM, Simpósio de Práticas Interpretativas, Simpósio Internacional de Musicologia, Semana do Cravo).

A sala da secretaria acadêmica conta com infraestrutura completa de administração, com computadores, impressoras, rede de telefonia e internet, arquivos classificadores e sala de reuniões. Toda a estrutura encontra-se em funcionamento no Edifício Ventura (Av.Chile, 330 – 21 andar – Torre Leste – Tel: 2262-8742).