8. Solidariedade, Nucleação e Visibilidade

8.1 Indicadores de solidariedade e nucleação

A contribuição do Programa para o fortalecimento do Sistema Nacional de Pós-Graduação começa pela atuação de número expressivo de seus egressos que integram ou integraram corpos docentes de vários Programas de Pós-Graduação em Música do país.

Para além deste processo de nucleação natural (e abaixo pormenorizado), dado o pioneirismo do Programa na área, e com vistas ao desenvolvimento futuro do seu potencial de solidariedade e nucleação, o PPGM-UFRJ planeja ampliar o seu leque de ações de cooperação.

Neste sentido, está em curso no Programa a avaliação da viabilidade de se propor, futuramente, a implementação de um Mestrado Interinstitucional (Minter). Para tal, o Programa tem em vista alguns candidatos de instituição receptora nos estados vizinhos de Minas Gerais e Espírito Santo, dos quais têm afluído uma parcela do corpo discente do Programa e que tornam-se, assim, parceiros preferenciais para iniciativas do tipo.

Como veículos de cooperação e intercâmbio com outras instituições universitárias no âmbito do PPGM-UFRJ, colocam-se os grupos de pesquisa consolidados no Programa, dentre os quais podemos destacar o polo no Brasil do “Núcleo de Estudos da História da Música Luso-Brasileira” (“Núcleo Caravelas”), órgão do Centro de Estudos da Sociologia e Estética Musical da Faculdade de Ciências Socais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.

Entre as metas do Programa (conforme “13.1”, abaixo), conta-se ainda a consolidação de Redes de Pesquisa interinstitucionais com participação do programa, novamente através de seus diversos Grupos de Pesquisa em atividade.

8.2 Acompanhamento de egressos

8.2.1 Destino e atuação de egressos

O PPGM-UFRJ acumula uma relevante história de nucleação e disseminação de egressos, devido sobretudo ao seu pioneirismo (em 2020 o Mestrado Acadêmico do Programa completa quatro décadas de atividade ininterrupta) e à sua centralidade geográfica e cultural (sua localização na capital, Rio de Janeiro). Cumpriu portanto um importante papel no desenvolvimento da Pesquisa em Música e na formação em nível de Pós-Graduação no Brasil, com egressos atuantes como professores de inúmeros Programas de Pós-Graduação em Música e cursos de Graduação em Música do país. Tal aspecto pode-se melhor compreender ao inventariar o destino e a atuação de seus egressos, ao longo de quatro décadas, através da atual vinculação institucional de muitos deles:

a) Egressos docentes de IES, Área de Musicologia Sistemática, Composição ou Sonologia: Professores Doutores Alexandre Eisenberg (UFSM); Alfredo Barros (UECE); Caio Senna (UNIRIO); Daniel Quaranta (UFPR/UFSJ); Daniel Puig (Cap-UFRJ); Ernesto Hartmann (UFES); José Orlando Alves (UFPB); Marcos Lucas, Caio Senna, Daniel Quaranta, Marcelo Carneiro de Lima, Marcos Lucas, Paulo Dantas (UNIRIO); Roberto Victorio (IL-UFMT); Ronaldo Miranda (ECA-USP); Daniel Puig (UFSB); Alfredo Barros (UFCE); Edmundo Villani Côrtes, Edson Zampronha (UNESP); Rodrigo Alonso (Universidad Nacional Autonoma de Mexico); David Tygel (PUC-Rio). (Atuantes na Escola de Música da UFRJ: Alexandre Schubert, Eduardo Biato, Geraldo Magela, João Guilherme Ripper, Pauxy Gentil-Nunes, Roberto Macedo, Yahn Wagner Pinto).

b) Egressos docentes de IES, Área de Práticas Interpretativas: Professores Doutores Ademir Adeodato (FAMES); Catalina Stela Caldi, Guilherme Bernstein, Cláudio Dauelsberg, Nicholas de Souza Barros (UNIRIO); Clayton Vetromilla (UFPel/UNIRIO); Dorotéa Kerr (UNESP); Eduardo Monteiro (ECA-USP); Flávio Barbeitas (UFMG); Mayra Pereira (UFJF); Lélio Alves (FAETEC-RJ); Werner Aguiar (UFRN/UFG); Robério Molinari (UEMG); Guillermo Caceres (UFCE); Marcos Botelho (UFG); Helen Moura (UFJF); Rogério Carvalho (UFMA); Marcelo Brum (UFPel); Clara Sandroni, Luciana Câmara, Maria Aida Barroso (UFPE); Werner Aguiar (UFRN); Yara Quércia Oliveira (UFSM); Ciro José Tabet (UFV); Dorotéa Kerr (UNESP); Luciana Câmara (UFPE); Flávia Vieira (UFMT). (Atuantes na Escola de Música da UFRJ: Jacob Herzog, Giulio Draghi, Tamara Ujakova, Afonso de Oliveira, Alexandre Rachid, Aloysio Fagerlande, Ana Paula da Matta, André Heller, Bartolomeu Wiese, Clara Albuquerque, Cristiano Alves, Eduardo Antonello, Eduardo Henrique Santos, Ernani Aguiar, Fábio Adour, Flavio Augusto de Oliveira, Giulio Draghi, Henrique Cazes, Inácio de Nonno, Inês Rufino, José Batista Junior, Julio Merlino, Kelly Moura, Marcelo Coutinho, Marcelo Jardim, Paulo Pedrassoli, Pedro Arthur Moita, Ronal Silveira, Zaida Valentim.)

c) Egressos docentes de IES, Área de Musicologia: Jeanine Bogaerts (Fundação Oswaldo Cruz); Vincenzo Cambria (UNIRIO); Flavio Barbeitas (UFMG). (Atuantes na Escola de Música da UFRJ: João Vicente Vidal, Antônio José Augusto, Harlei Elbert Raymundo.)

d) Egressos docentes de IES, Área de Educação Musical: Ademir Adeodato, Alan Simões, Alba Janes Lima, Angela Volpato, Ernesto Hartmann, Janne de Oliveira, Raquel Bianca Sousa (UFES ou FAMES); Cândida Borges, (UNIRIO), Rosângela Fernandes (FAMES). (Atuantes na Escola de Música da UFRJ: João Miguel Freire.)

e) Egressos docentes na Educação Básica: Mário Ferraro (Cap-UFRJ); Adriano Furtado (CEFET-RJ); Milena Tibúrcio, Niágara Cruz, Thelma Taets, Clara Albuquerque (Colégio Pedro II); Armildo Uzeda (Escola de Música Villa-Lobos); Lélio Alves (FAETEC-RJ).

f) Egressos membros de corpos artísticos estáveis: Maria Aparecida Passamae (OSES), Andréa Ernest Dias, Claudio Frydman, Hudson Oliveira, Gretel Paganini (UFF); Janaína Perotto, Jesus Figueiredo, Priscila Bomfim, Ricardo Ferreira (Theatro Municipal do Rio de Janeiro). (Atuantes na Escola de Música da UFRJ: Adonhiran Reis, André Bukowitz, Clara Albuquerque, Eduardo Antonello, Eduardo Henrique Santos, Flavio Augusto de Oliveira, Ivan Zandonade, Kelly Moura, Larissa Coutrim, Sergio Di Sabbato.)

g) Egressos produtores ou técnicos institucionais: Willian de Souza (Museu da Imagem e do Som); Wania Rocha (SEE-RJ); Rosilany Nunes, Thiago de Oliveira Sias, Leonardo Moraes e Tiago Portella (SESC-RJ); Adler Tatagiba (SME-Itaperuna); Aline de Souza, Bruno D”Antonio Corrêa, Fabiano Lemos, Guilherme Ayres, Marcelo Inagoki, Marcia Ogando, Paulo Roberto Coutinho, Rogério Lopes, Sinésio Jefferson Andrade Silva (SME-RJ); Júlio César Erthal (SME-Vitória); Alexandre Pfeiffer (Sociedade de Beneficência Humboldt-RJ).

8.2.2 Sistematização do acompanhamento de egressos

Devido em parte aos recentes desenvolvimentos no sistema de avaliação da Pós-Graduação no Brasil, notadamente no contexto de implantação de um modelo multidimensional no seio do qual o perfil e a produção artística, técnica ou bibliográfico dos egressos surge com ênfase redobrada, não existem ainda sistematizados ou estabelecidos, no âmbito da UFRJ, mecanismos ou dispositivos para acompanhamento. Como destaca o Plano de Desenvolvimento Institucional da UFRJ para 2019-2023, será uma estratégia da Universidade implantar uma plataforma que agregue dados dos egressos, de forma que possa acompanhar seu desenvolvimento nos primeiros anos da carreira. Tratar-se-ia, assim, de um sistema visando à criação de mecanismos de colaboração e cooperação entre programas e egressos, e entre os contextos da academia e do mundo do trabalho.

8.3 Visibilidade

8.3.1 Sítio eletrônico e rede social

O PPGM-UFRJ dispõe de sítio eletrônico (http://www.musica.ufrj.br/posgraduacao), ligado ao portal da Escola de Música da UFRJ (http://www.musica.ufrj.br). A página tem design profissional, contando com equipe própria e atualização diária. O Programa também mantém uma página de relacionamentos online no Facebook, onde dialoga e interage com a comunidade acadêmica interessada (https://www.facebook.com/ppgmufrj).

Em ambas as páginas, é possível obter informações sobre a estrutura acadêmica, com textos completos e claros sobre as Áreas de Concentração, Linhas de Pesquisa, Grupos e Projetos de Pesquisa, currículo e produção intelectual dos docentes, disciplinas e informações administrativas (inscrições, calendários, documentos regimentais). Os eventos produzidos pelo PPGM-UFRJ (isto é, seus simpósios, palestras, colóquios, concertos, intercâmbios etc.) são destacados como matérias ilustradas com imagens e links, tanto na página do PPGM-UFRJ quanto na página de relacionamentos, em postagens com periodicidade via de regra semanal.

8.3.2 Periódicos científicos e publicações do PPGM-UFRJ

Os dois periódicos do Programa apresentam soluções diferenciadas de publicação: enquanto a Revista Brasileira de Música, primeiro periódico científico de Música do Brasil (fundado em 1934) tem edição volume físico e digital, o MusMat – Brazilian Journal of Music and Mathematics, do Grupo de Pesquisa do mesmo nome, tem publicação exclusivamente eletrônica e em língua inglesa. Além destas duas publicações periódicas, o PPGM-UFRJ mantém outras quatro: Anais do Colóquio de Pesquisa do PPGM-UFRJ; Anais do Simpósio Internacional de Musicologia da UFRJ; Anais do Simpósio em Práticas Interpretativas da UFRJ; e Anais do Simpósio Nacional Villa-Lobos. As contribuições do PPGM-UFRJ na âmbito das Jornadas de Iniciação Científica da UFRJ encontram-se em sítio específico, compartilhadas por toda a Universidade (http://www.jic.ufrj.br).

Os eventos promovidos pelo PPGM-UFRJ, bem como pela Escola de Música da UFRJ, geram habitualmente matérias veiculadas pelos grandes órgãos de imprensa (TV, rádio, Internet).

8.3.3 Sítios eletrônicos dos Grupos de Pesquisa do PPGM-UFRJ

Os Grupos de Pesquisa do PPGM-UFRJ mantêm páginas independentes, com links a partir da página do PPGM-UFRJ. Entre estes, contam-se:

a) Grupo “MusMat”: No seu sítio (www.musmat.org), o grupo disponibiliza informações sobre seus integrantes, os Projetos de Pesquisa envolvidos, as publicações (todas com hiperlinks para os respectivos PDFs) e uma página de downloads dos softwares disponibilizados gratuitamente. A página inicial apresenta notícias sobre as últimas atividades do grupo, sendo o sítio inteiramente bilíngue. O grupo MusMat também mantém uma página no Facebook (https://www.facebook.com/grupomusmat?ref=hl), que permite uma maior interação com o público e a divulgação de eventos.

b) Grupo “Laboratório de Etnomusicologia”: O projeto “Som da Maré” (https://somdamare.wordpress.com), vinculado ao grupo, conta também com página própria, com informações sobre o projeto, vídeos de eventos ligados ao projeto, informações sobre as aulas, material produzido durante o processo (“Diário Sonoro”), lista de equipamentos e técnicas, informações sobre oficinas, trabalho de campo, participantes e fotos da exposição “Os 12 tempos da Maré”. O projeto Som da Maré também mantém sua página no Facebook (https://www.facebook.com/projetosomdamare?fref=ts), onde atualiza conteúdos referentes a eventos ligados ao projeto e interage com o público.