Arte e diversidade: ações para desconstrução de estigmas e construção de novas possibilidades de interação social

Projeto de pesquisa
Thelma Alvares, docente responsável
Sergio Alvares, docente
João Miguel Bellard Freire, docente
Jandira Diniz, discente
Maria Angélica Calderano, discente
Micael Carvalho dos Santos, discente

Apresentação

A pessoa que recebe um diagnóstico psiquiátrico ou relativo a qualquer deficiência perde um dos maiores privilégios humanos: a liberdade de escolha. Fragilizada pela exclusão e por papeis sociais definidos que desvalorizam o ser, estes indivíduos são enquadrados em estereótipos (o “cego”, o “esquizofrênico”, o “surdo”, etc.) que dificultam o seu pleno desenvolvimento humano. Este processo de desvalorização frequentemente ocorre na família, nas instituições de tratamento e educação que, de modo geral, ainda enfatizam a doença/deficiência e não a saúde ou o potencial do indivíduo.

A população alvo da pesquisa é constituída por grupos heterogêneos que estão em situação de vulnerabilidade e/ou risco social. Incluímos tanto pessoas em tratamento em hospitais, Centro de Atenção Psicossocial e Reabilitação, Escolas Especiais, isto é, pessoas vinculadas à instituição de tratamento, assim como associações, ONGs e grupos que vivem processo de exclusão/marginalização social e que buscam a conquista e o fortalecimento de seus direitos humanos e de cidadania.

Esta pesquisa-ação será desenvolvida através do diálogo entre o conhecimento acadêmico e o conhecimento pertencente a grupos da diversidade, isto é, grupos em situação de vulnerabilidade/risco social sejam por possuírem diferenças culturais, religiosas, raciais, étnicas, econômicas, por serem pessoas em sofrimento psíquico ou com algum tipo de deficiência. A pesquisa envolve uma itinerância com apresentações musicais de grupos da diversidade em instituições de tratamento, ensino, em espaços universitários e públicos. Este estudo propõe uma inclusão social que respeite e garanta a afirmação das diferenças humanas contribuindo para desconstrução de estigmas e para a criação de espaços sociais que possibilitam o desenvolvimento pleno do indivíduo.

Objetivos

O objetivo principal desta proposta é contribuir com trocas transdisciplinares entre Arte, Educação, produção cultural e Saúde gerando ações e conhecimento que sejam fruto da interação entre a Universidade e grupos que representam a diversidade humana e que contribuem para desconstrução de estigmas e construção de novas possibilidades de interação social.

Os objetivos específicos são:

1) Aprimorar a proposta de realização de pesquisa-ação em uma instituição, Fiocruz, junto a um pesquisador que vem promovendo ações em prol da diversidade humana, valorizando o papel das Artes nas transformações sociais;

2) Desenvolver e promover ações culturais e artísticas itinerantes em instituições, tais como em hospitais psiquiátricos, Centros de atenção psicossocial, Centros de reabilitação, espaços públicos, teatros a fim de criar uma rede de interação social em torno da questão da diversidade;

3) Ocupar por quatro meses um espaço na Universidade Federal do Rio de Janeiro que aborde questões da diversidade humana. Este espaço será criado com a participação ativa de grupos da diversidade;

4) Ampliar a participação acadêmica da Universidade nos movimentos e ações que visam a inserção social de pessoas em vulnerabilidade/risco social;

5) Formar educadores musicais que entendam as peculiaridades e necessidades de grupos em vulnerabilidade/risco social;

6) Promover, através do Mutirão da Diversidade, o engajamento de indivíduos, pertencentes ou não à diversidade, com o movimento que visa a desconstrução dos estigmas que contribuem para a exclusão destes indivíduos.

Referências

ABELES, Harold; HOFFER, Charles; KLOTMAN, Robert. Foundations of music education.  New York: Schirmer Books, 1994. 2. ed.

ADEODATO, Ademir. “… uéh, mas eles não vão aprender a tocar?” Um estudo de caso sobre as representações sociais do ensino musical na escola regular e suas influências no processo educacional de crianças em vulnerabilidade social. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2011.

ALVARES, Thelma S. O ensino de música para pessoas com doença mental: a desconstrução da figura do louco e a construção de possibilidades de inclusão social. In: Simpósio de Cognição e Artes Musicais, 6, 2010, Rio de Janeiro. Anais… , 2010, p. 482-491.

_______. A Música e a Educação na Diversidade: sua contribuição para um novo paradigma. In: SIMPÓSIO DE COGNIÇÃO E ARTES MUSICAIS, 6, 2010, Rio de Janeiro. Anais… , 2012, p. 381-390.

_______. Novos Sujeitos, Novos Direitos: O Debate sobre a reforma psiquiátrica no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 11 (3): 491-494, jul/set, 1995.

_______. Reforma Psiquiátrica e Epistemologia. Cad. Bras. Saúde Mental, Vol1, º1, jan-abr. 2009.

_______. Saúde Mental e Atenção Psicossocial. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2007.

ARAÚJO, Rosane. Motivação e ensino de música. . In B. Ilari.& R. Araújo (Eds.). Mentes em música, (pp. 117-136). Curitiba: Universidade Federal do Paraná Press, 2009.

BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: UNESCO, 1994.

_______. Atendimento educacional Especializado. Formação Continuada à distância de professores para o Atendimento Educacional Especializado: Deficiência Visual. SEESP/ SEED/MEC, Brasília – DF, 2007.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPE. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília, novembro de 2005.

COSTA, Jurandir Freire. História da Psiquiatria no Brasil. 5.ed. rev. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.

FLEITH, Denise. & ALENCAR, Eunice. (2010). A inter-relação entre criatividade e motivação. In E. Boruchovitch, J. Bzuneck, & S. Guimarães (Eds). Motivação para aprender: aplicações no contexto educativo. (pp.209-230). Petrópolis, RJ: Vozes.

FOUCAULT, Michel. A história da loucura na Idade Clássica. São Paulo: Perspectiva, 1978.

_______. Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. Petrópolis, RJ: Vozes, 1977.

FREIRE, Paulo. Educação e mudança. 25 edição, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

_______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

_______. Pedagogia do oprimido. 17ª Ed. Rio de janeiro, Paz e Terra, 1987.

_______. Educação como prática da liberdade. 30ª Ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2007.

GADOTTI, Moacir. A questão da educação formal/não formal. In: INSTITUT INTERNATIONAL DES DROITS DE L’ENFANT (IDE) Droit à l’éducation: solution à touslesproblèmes ou problèmesanssolution? Sion (Suisse), 18 au 22 octobre 2005, disponível em 22/03/2012.

GLAT, Rosana. Educação Inclusiva: cultura e cotidiano escolar. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007.

GOFFMAN, Erving (2008). Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva.

_______. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4 ed. Rio de Janeiro: LTC, 2012.

HODGES, Donald (Ed.). Handbook of music psychology. 2 ed. San Antonio, TX: IMR Press, 1999.

HOFFER,C. Sociology and music education. In: COLWELL, R. (Ed.) Handbook of research music teaching and learning. New York: Schirmer Books, 1992.

JODELET, Denis. (2005). As Representações sociais. Rio de Janeiro: Universidade Estadual do Rio de Janeiro Press.

LUCAS,Glaura. O Trabalho de Campo em Pesquisa-Ação Participativa: Reflexões sobre uma Experiência em Andamento com a Comunidade Negra dos Arturos e a Associação Cultural Arautos do Gueto em Minas Gerais. Revista Música & Cultura. Revista online, 2011. Acessado em 20 de outubro de 2012.

MAZZOTTI, Tarso. Confluência teóricas: representações sociais, sociolingüísticas, pragmática e retórica. Revistas Múltiplas Leituras, v. 1, n. 1, p.90-106, jan/jun., 2008.

McNIFF, Shaun. Depth of Psychology of Art.Springfield, Illinois: Charles C Thomas, 1989.

_______. Art heals.Boston, MA: Shambala, 2004

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais. Investigações em psicologia social. 7ª Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

OLIVEIRA, M. Representações sociais e sociedades: a contribuição de Serge Moscovici. Rev. Bras. Ciências Sociais, v.19, n.55, São Paulo, 2004. Disponível em: http: http://www.scielo.br/scielo.php. Acesso em: 2 de abril de 2011.

PEREIRA, M. Representação da doença mental pela família do paciente. Interface- Comunicação, Saúde, Educação, v. 7, n.12, p.71-82, 2003.

SKLIAR, Carlos. 2006. “A inclusão que é “nossa’’ e a diferença que é do “outro”. In Educação e Inclusão: doze olhares sobre a educação inclusiva. Organizado por David Rodrigues, 16-34. São Paulo: Summus.

THIOLLENT, Michel. Perspectivas da pesquisa-ação em etnomusicologia: anotações e primeiras indagações. In: : ARAÚJO, S.; PAZ, G. & CAMBRIA, V. (orgs) Música em Debate: perspectivas interdisciplinares. Rio de Janeiro: Mauad X: FAPERJ, p. 189- 197, 2008.

VENTURINI, E. 2010. A Desinstitucionalização: limites e possibilidades. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 20(1): 138-151.