Considerações sobre a complexidade rítmica e estratégias para o aprendizado de Diário do Trapezista Cego (2006) de Roberto Victorio e Changes (1983) de Elliott Carter

Considerações sobre a complexidade rítmica e estratégias para o aprendizado de Diário do Trapezista Cego (2006) de Roberto Victorio e Changes (1983) de Elliott Carter 📄
Marco Antonio C. Correia Lima | Marcia Ermelindo Taborda

Resumo: Ao longo dos séculos XX e XXI surgiram novas abordagens do ritmo, que se distinguem daquelas presentes na música escrita no Período da Prática Comum. Algumas destas novas abordagens aumentam o grau de complexidade, gerando questões para o intérprete e demandando estratégias específicas para o estudo. Neste artigo é discutida a questão da complexidade no ritmo, algumas consequências dessa complexidade para a performance e são discutidas estratégias de estudo do ritmo a partir de proposições de Weisberg (1993), Pires (2012) e Mulle Holmqvist (2010), aplicadas ao estudo de  de Diário do Trapezista Cego (2006) de Roberto Victorio e de Changes (1983) de Elliott Carter. 

Palavras-chave: Aprendizado do ritmo. Violão. Complexidade.