Expressão musical: aspecto cinético como recurso na performance (2017)

Projeto de pesquisa
Midori Maeshiro, docente responsável

Descrição e objetivos

Ao longo das últimas décadas, acumulou-se uma literatura bastante substancial acerca do controle da expressão na performance musical (POVEL, 1977; SLOBODA, 1983; TODD, 1992; REPP, 1995; CLARKE, 1999; DE POLI, 2003). Essas pesquisas têm enfocado, dentre outros aspectos, o timing da variação dos recursos expressivos, bem como a expressão como timing variacional de efeitos musicais percebidos como “dinâmica”, “palheta de timbres” e “padrões de articulação”. Por vezes compositores e performers desejam flexibilizar o ritmo estrito da música, a fim de realçar sua força expressiva. Alguns desses recursos foram diferentemente descritos por teóricos e compositores do passado com termos curiosos como “roubo honesto” ou mesmo “sedutor” (LISZT, 1859), mas sua essência persiste até hoje na performance da música escrita de tradição europeia e em seus desdobramentos na música acadêmica contemporânea ou na música popular profissional.

Desde o canto gregoriano até os nossos dias, o conhecimento sobre esta prática expressiva tem sido transmitido em documentos legados por teóricos, compositores e performers que marcaram suas diferentes conceituações. A presente pesquisa tem por objetivos: (1) analisar uma soma significativa de textos teóricos e procedimentais, além de exemplos musicais que sugeriram diferentes concepções de tais aspectos cinéticos da expressão musical, a fim de torná-las mais precisamente identificáveis para o performer da atualidade que inevitavelmente necessita lançar mão de adaptações funcionais alternativas mais adequadas às percepções e aos discursos do seu tempo; (2) compreender as motivações estéticas que levaram compositores e performers a utilizar esses recursos do modo como o fizeram e avaliar seus efeitos artísticos; (3) aplicar tais procedimentos de forma fundamentada, no contexto artístico atual, tanto na performance da música tradicional quanto contemporânea, tematizando o desenvolvimento da pedagogia a eles relacionada; e (4) examinar os vários pontos de vista perceptivos acerca dos referidos aspectos cinéticos da expressão musical, considerando-os condição de interação entre texto musical, performer e ouvinte.

Justificativa

A maior dificuldade de um performer que trabalha com o texto musical escrito está na compreensão dos sentidos do texto que se lhe oferece à interpretação, porque não há medidas estabelecidas com indicações objetivas dos aspectos cinéticos da expressão. Signos para uma representação objetiva da expressão musical não foram elaborados no âmbito da tecnologia notacional. Desta forma, peças com diferentes poéticas apresentam feixes complexos de situações-problema. Apesar da intuição como essência e intervenção do artista, por si só ela não é suficiente para que este artista resolva dilemas interpretativos e encontre justificativas para o que deve ou não adotar na elaboração de sua performance. Por isso a presente pesquisa estuda, sobretudo por comparação, a diversidade de manipulação do timing a partir do qual emergem os efeitos expressivos obtidos pelos performers no intuito de tornar inteligível aquilo que executam.

Metodologia

O presente projeto considera como recursos metodológicos: (1) o desenvolvimento de protocolos experimentais para análise de performance; (2) a análise crítica de diferentes performers interpretando uma mesma obra, com ênfase investigativa no tempo, para avaliar como tais procedimentos são entendidos e como resultam na performance; (3) a realização de registros fonográficos para discussão e ampliação do conhecimento acadêmico e artístico, partindo da premissa de que as peças musicais admitem práticas interpretativas múltiplas, incluindo contínuas inovações.

Referências

Brown, H. M. & Sadie, S. (1989). Performance practice: music before 1600. New York: W.W. Norton.

—— Performance practice: music after 1600. New York: W.W. Norton.

Clarke, E. F. (1999). Rhythm and timing in music. In D. Deutsch (Ed.), The psychology of music (2nd ed., pp. 473–500). San Diego: Academic Press.

De Poli, G. (2003). Analysis and modeling of expressive intentions in music performanceAnnals of the New York Academy of Sciences, 999, 118–123.

Drake, C., Penel, A., & Bigand, E. (2000). Tapping in time with mechanically and expressively performed musicMusic Perception, 18, 1–23.

Dolmetch, Arnold. (1946). The Interpretation of the Music of the XVII and XVIII Centuries (2nd ed.). Oxford University Press.

Gabrielsson, A. (1999). The performance of music. In D. Deutsch (Ed.), The psychology of music (2nd ed., pp. 501– 602). San Diego: Academic Press.

Goodrich, A. J. (1899). Theory of Interpretation Applied to Artistic Musical Performance. Presser.

Hong, Jun-Lee. (2003). Investigationg expressive timing and Dynamics in recorded cello performances. Psychology of Music, vol. 31 (3), pp. 340-352.

Kendall, R. A., & Carterette, E. C. (1990). The communication of musical expression. Music Perception, 8 (2), 129–164.

Liszt, F. (1859). Des Bohémiens et de leur musique en Hongrie. Paris, Nouvelle edition.

Lussy, Mathis. (1877). Traité de l’expression musicale (3e ed.). Paris.

Marpurg, Friedrich Wilhelm. (1755; 1756). F. W. Marpurg’s ‘Anleitung zum Clavierspielen (Berlin, 1755) e Principes du clavecin (Berlin, 1756). Elizabeth Loretta Hays (trans.). Stanford Univ., 1977.

Matthay, Tobias. (1980). Musical Interpretation. Boston Music Co..

Paderewski, Ignace J. (1909). Succcess in Music and How it is Won. London: Adam and Charles Black.

Palmer, C. (1997). Music performance. Annual Review of Psychology, 48, 115–138.

Penel, A., & Drake, C. (2004). Timing variations in music performance: Musical communication, perceptual compensation, and/or motor control? Perception & Psychophysics, 66(4), 545–562.

Pitt, M. A. (1994). Perception of pitch and timbre by musically trained and untrained listeners. Journal of Experimental Psychology: Human Perception and Performance, 20(5), 976–986.

Povel, Dirk-Jan. (1977). Temporal structure of performed music. Some preliminary observations. Acta Psycologica, vol. 41, pp. 309-320.

Repp, B. H. (1995) Quantitative effects of global tempo on expressive timing in music performance: Some perceptual evidence. Music Perception, 13 (1), 39–57.

Rosenblum, Sandra P. (1988). Performance Practices in Classic Piano Music. Indiana University Press.

Sachs, Curt. (1953). Rhythm and Tempo: A study in Music History. Norton.

Sloboda, John A. (1983). The communication of musical metre in piano performance. Quarterly Journal of Experimental Psychology, vol. 35A, pp. 377-396.

Timmers, R. (2002). Freedom and constraints in timing and ornamentation. Maastricht, The Netherlands: Shaker Publishing.

Todd, Neil. (1992). The Dynamics of Dynamics: A Model of Musical Expression. Journal of the Acoustical Society of America 91(6): 3540-50.

Tosi, Pier Francesco. (1723). Opinioni de cantori antichi e moderni, o siero osservazioni sopra il canto figurato. Bologna.

Türk, Daniel Gottlob. (1789). School of clavier playing or instructions in playing the clavier for teachers and students. (Leipzig and Halle, 1789). University of Nebrasca Press, 1982.