Inscrições em disciplinas 2019-2

AGENDA

Inscrições para alunos matriculados no Mestrado e Doutorado (SIGA) – 20/07/2019 a 30/07/2019

Inscrições para alunos externos em regime especial (Inscrição online) – Prazo prorrogado até 11/08/2019

Formulário de inscrição para alunos externos em regime especial
(disponível de 01/08/2019 a 03/08/2019) CLIQUE AQUI

* As disciplinas obrigatórias oferecidas para alunos externos em regime especial terão apenas as suas cargas horárias aproveitadas em eventuais equivalências de disciplinas. Ou seja, caso haja matrícula posterior, elas deverão ser cursadas novamente durante a vigência da matrícula oficial no curso.

Início das aulas – 05/08/2019

DISCIPLINAS

Metodologia da Pesquisa em Música (MUD781). Prof. João Miguel Bellard Freire. Terças-feiras, 14:00 às 17:00, Sala 2115 (20 vagas). Disciplina obrigatória para todos os alunos do curso de Mestrado do PPGM-UFRJ, aberta para alunos externos em regime especial, caso haja vagas* consulte a agenda no início da página. ➤ Discussão acerca dos aspectos metodológicos e da importância dos métodos de pesquisa para o trabalho acadêmico em Música, enfatizando as conexões entre o conhecimento técnico-profissional e os demais campos do conhecimento em Música. Abordagem da sistemática geral da pesquisa, focalizando a definição do objetivo/problema, da contextualização teórica e da elaboração de projetos de pesquisa. Revisão da literatura sobre técnicas de coleta de dados, sistematização, análise e apresentação de resultados.

Seminários de Educação Musical I (MUD731). Profa. Thelma Alvares. Terças-feiras, 17:00 às 20:00, Sala 2104 (15 vagas). Disciplina obrigatória para os alunos do curso de Mestrado do PPGM-UFRJ vinculados à linha “Música, Educação e Diversidade”, aberta para alunos de outras linhas e alunos externos em regime especial, caso haja vagas – consulte a agenda no início da página. ➤ Revisão crítica de literatura da área da Educação Musical e de educação geral a ela correlata, evidenciando as principais tendências e correntes de pensamento das áreas em questão e as respectivas inter-relações..

Seminários de Musicologia I (MUD721). Prof. Antonio Augusto. Sextas-feiras, 10:00 às 13:00, Sala 2104 (15 vagas). Disciplina obrigatória para os alunos do curso de Mestrado do PPGM-UFRJ da área de Musicologia e aberta para alunos externos em regime especial, caso haja vagas – consulte a agenda no início da página. Introdução panorâmica às diversas subáreas da musicologia, separada ou conjuntamente, com apoio em bibliografia que contemple as principais linhas de investigação e seus autores exponenciais. Estudo teórico-conceitual da musicologia tout cour, desde as origens da disciplina até o pós-guerra, com base na leitura de textos representativos da musicologia internacional, em suas diversas correntes: alemã, francesa, italiana, inglesa e americana.

Seminários de Processos Criativos I (MUD701). Prof. Pauxy Gentil-Nunes. Sextas-feiras, 17:00 às 20:00, Sala 2104 (15 vagas). Disciplina obrigatória para os alunos do curso de Mestrado do PPGM-UFRJ da área de Processos Criativos e aberta para alunos externos em regime especial, caso haja vagas – consulte a agenda no início da página. ➤ Introdução panorâmica às diversas subáreas da pesquisa em composição musical e práticas interpretativas, com apoio em bibliografia que contemple as principais linhas de investigação e seus autores exponenciais, bem como os quadros teóricos e metodológicos da subárea.

Introdução à Teoria Pós–Tonal (MUD834). Prof. Marco Feitosa. Quartas-feiras, 17:00 às 20:00, Sala 2101 (15 vagas). Disciplina optativa para alunos matriculados nos cursos de Mestrado ou Doutorado do PPGM–UFRJ e alunos externos em regime especial – consulte a agenda no início da página. ➤ Estudo da música pós-tonal da primeira metade do século XX, na perspectiva da Teoria das Classes de Conjuntos de Alturas de Allen Forte (Pitch-Class Set Theory). Exame do princípio de equivalência de oitava, notação modular, forma normal e prima, vetor intervalar, simetria transpositiva e inversiva, propriedades de séries dodecafônicas, invariâncias, combinatoriedade (Schoenberg) e derivação (Webern) e expansão paramétrica do serialismo (Messiaen, Babbitt, Boulez e Stockhausen). Aplicação em análise de obras musicais e no planejamento composicional metodologicamente desenvolvido a partir de bases teórico-estéticas.

Transcrição Auditiva (Tópicos Especiais em Educação Musical II – MUD735). Prof. Fabio Adour. Quartas-feiras, 14:00 às 17:00, Sala 2104 (15 vagas). Disciplina optativa para alunos matriculados nos cursos de Mestrado do PPGM-UFRJ e alunos externos em regime especial – consulte a agenda no início da página. O termo “transcrição”, no âmbito Musical, é comumente empregado em duas concepções: como transposição de um material musical de um meio vocal/intrumental a outro; e com a conotação relativa à prática do reconhecimento auditivo. Essa disciplina se concentra na segunda acepção. Etimologicamente, a palavra transcrição remete ao registro escrito; no entanto, ela será entendida de modo abrangente, incluindo a possibilidade de registro apenas na memória e no corpo. A fundamentação congrega textos oriundos principalmente da Etnomusicologia e da Educação Musical, mas serão enfatizados os desdobramentos de sua utilização nos processos de ensino-aprendizagem. Outro foco do estudo é a prática da transcrição auditiva com o auxilio da tecnologia: as metodologias amparadas por softwares e a avaliação crítica de suas possibilidades e limites culturais e cognitivos.

Carl Dahlhaus: teoria e prática musicológica (Tópicos Especiais em Musicologia I – MUD723). Prof. João Vicente Vidal. Segundas-feiras, 10:00 às 13:00, Sala 2104 (15 vagas). Disciplina optativa para alunos matriculados nos cursos de Mestrado do PPGM-UFRJ e alunos externos em regime especial – consulte a agenda no início da página. Trinta anos passados da morte de Carl Dahlhaus (1928-1989) em Berlim, sua vasta obra musicológica segue internacionalmente reconhecida como a mais abrangente e influente contribuição à disciplina do século XX. De fato, nenhuma outra personalidade da musicologia recente dedicou-se tão consistentemente a teoria e prática da musicologia como Dahlhaus, nem a um espectro tão amplo e diversificado de temas e repertórios. Sua prosa complexa e diálogo com tradições e debates intelectuais hoje pouco familiares fizeram, porém, com que a recepção e impacto de sua historiografia musical no Brasil fossem até hoje ainda limitados. Oferecendo uma introdução ao seu intrincado pensamento musicológico, o curso partirá de três textos fundamentais de contextualização histórica e análise textual: Dahlhaus, Knepler, and Ideologies of Music History (SCHREFFLER & WALLS, 2003), The Dahlhaus Project and Its Extra-Musicological Sources (HEPOKOSKI, 1991), e Wie schreibt Dahlhaus Geschichte? (DANUSER, 2008), para assim chegar à leitura e apreciação de seus dois mais conhecidos livros – a coleção de ensaios metodológicos Grundlagen der Musikgeschichte de 1977 (traduzido como Foundations of Music History, 1983) e o trabalho que lhe serviu de motivação, Die Musik des 19. Jahrhunderts, de 1980 (Nineteenth-Century Music, 1989) – e finalmente a uma apresentação de outras importantes obras disponíveis também em traduções para o inglês – Richard Wagners Musikdramen, de 1971 (Richard Wagner’s Music Dramas, 1992), Zwischen Romantik und Moderne, de 1974 (Between Romanticism and Modernism, 1980), Die Idee der absoluten Musik, de 1978 (The Idea of Absolute Music, 1988), Schönberg und andere, de 1978 (Schoenberg and the New Music, 1987). Com isso, espera-se refletir sobre a atualidade e relevância, para a musicologia brasileira e ibero-americana contemporânea, de suas principais proposições nos campos da história, estética, teoria e análise musical.

O mito do Fausto na música (Tópicos Especiais em Musicologia II – MUD724) – Prof. Giulio Draghi (convidado). Quintas-feiras, 10:00 às 13:00, Sala 2104 (15 vagas). Disciplina optativa para alunos matriculados nos cursos de Mestrado do PPGM-UFRJ e alunos externos em regime especial – consulte a agenda no início da página. Introdução ao Fausto: do personagem histórico ao mito. Os primeiros panfletos a circular pela Alemanha e a tragédia de Thomas Marlowe. A contraparte musical em Doktor Faust de Ferruccio Busoni: sua linguagem musical em comparação com a Arnold Schoenberg. O pacto faustiano visto da perspectiva de uma verdadeira revolução da linguagem musical, o dodecafonismo (Schoenberg retratado como Fausto por Thomas Mann). Faust de Goethe, elementos novos do mito: perdão e possibilidade de redenção. O mito do Fausto inserido no Don Giovanni de Mozart prossegue em Lieder de Schubert, Schumann, Liszt, Mussorgsky e do jovem Wagner. Eine Faust-Simphonie de Liszt, suas referências programáticas, análise e audição com partitura; sua versão para piano solo por Carl Tausig. Mefistofele de Boito, Faust de Gounod, Scènes de Faust de Berlioz: textos e depoimentos dos compositores buscando legitimar suas escolhas e enfoques. O mito do Fausto no século XX; substituição da ‘venda da alma’ pela ‘venda da consciência’. O caso Gustav Grundgens, seu relacionamento com o nazismo e seu retrato por Klaus Mann em Mefisto. Mefisto de Itsvan Szábó. O Fausto da República de Weimar durante o cinema expressionista alemão: Faust de Friederich Murnau vs. Der Golem de Paul Wegener, duas leituras do mesmo mito. O Fausto na época Vitoriana: The Picture of Dorian Gray de Oscar Wilde. O Strange Case of Dr. Jekyll and Mr. Hyde de Robert L. Stevenson e musical da Broadway nele inspirado. Mary Shelley e seu Frankenstein. O Paradise Lost de John Milton e o oratório composto por Anton Rubinstein. Ligação do poema épico de Milton com o livro Shelley. O balé Frankenstein com música comissionada para o Royal Ballet de Londres. O mito do Fausto e a ética profissional do artista.

Pensando o binômio música e sociedade na musicologia e na etnomusicologia (Tópicos Especiais em Musicologia II – MUD724) – Profs. Frederico Barros e Ana Paula Rodgers. Quintas-feiras, 10:00 às 13:00, Sala 2105 (10 vagas). Disciplina optativa para alunos matriculados nos cursos de Mestrado do PPGM-UFRJ e alunos externos em regime especial – consulte a agenda no início da página. O curso buscará trabalhar sobre um problema fundamental que atravessa boa parte dos estudos de Musicologia e Etnomusicologia: a relação entre a música que se cria, escuta ou pratica e o mundo em torno dela, seu contexto social. A proposta é partir dessa problemática para cobrir uma bibliografia que inclui trabalhos já clássicos e teorizações recentes, buscando pensá-los como diferentes formas de enfrentar o tema em questão. Procedendo desta maneira, pretende-se oferecer bases teóricas para trabalhos de musicologia histórica e etnografia das práticas musicais que lidem, direta ou indiretamente, com tais problemas, investigando-lhes os pressupostos e acompanhando as consequências decorrentes. Neste trajeto serão abordados temas variados, como: música e contexto; culturas populares e música de concerto e erudita; criação musical; estudos de recepção; história da música; musicologia cultural; análise e hermenêutica; cultura e identidade, entre outros.

Performance musical colaborativa e composição da escuta (Tópicos Especiais em Práticas Interpretativas I – MUD 707) – Prof. Pedro Bittencourt. Segundas-feiras, 14:00 às 17:00, Sala 2104 (15 vagas). Disciplina optativa para alunos matriculados nos cursos de Mestrado do PPGM-UFRJ e alunos externos em regime especial – consulte a agenda no início da página. A disciplina propõe o estudo da performance musical na segunda metade do século XX e início do XXI, com foco nas colaborações entre compositores e instrumentistas vivos no Brasil, nas mais diversas formações instrumentais. Estudo sobre as novas modalidades e os novos limiares entre composição e interpretação musical. São levados em conta a mudança de paradigma da nota ao som mais evidenciada ao longo do século XX (Solomos), a diversidade de propostas de escutas musicais que acompanharam novos projetos composicionais do passado recente (Schaeffer, Bayle, Risset, Vaggione), o trabalho sobre as partituras como scripts (Cook) e o desenvolvimento de uma escuta situada e contextualizada em cada colaboração musical, sempre considerando o conjunto de adaptações e modificações. Esses aspectos potencializam a composição da escuta do(s) performer(s) para cada obra interpretada, conjugando de forma prática e dinâmica  composição e interpretação musical, abrindo caminho para novas reflexões e realizações nas práticas interpretativas.

Seminários Avançados em Educação Musical I (MUD831). Prof. Sergio Alvares. Quintas-feiras, 09:00 às 12:00, Sala 2115 (20 vagas). Disciplina obrigatória para alunos da área de Educação Musical do curso de Doutorado do PPGM-UFRJ e alunos externos em regime especial, caso haja vagas* consulte a agenda no início da página. ➤ Mapeamento das questões críticas da pesquisa em Educação Musical, com ênfase nas tendências recentes, refletindo sobre os problemas teórico-conceituais e metodológicos dos processos educativos em diversos contextos educacionais. O debate privilegia autores e textos representativos de diversas abordagens da pesquisa em Educação Musical, em diálogo com as Ciências da Saúde, Etnomusicologia e Humanidades, considerando a perspectiva da diversidade e das práticas musicais abrangentes, promovendo um debate sobre sua fundamentação teórica, conceitual e metodológica, com ênfase na realidade brasileira.

Seminários Avançados em Musicologia I (MUD801). Profa. Andrea Adour. Quartas-feiras, 10:00 às 13:00, Sala 2104 (15 vagas). Disciplina obrigatória para alunos da área de Processos Criativos do curso de Doutorado do PPGM-UFRJ e alunos externos em regime especial, caso haja vagas* – consulte a agenda no início da página. ➤ Mapeamento das questões críticas da pesquisa em Musicologia, com ênfase nas tendências recentes, refletindo sobre os problemas teórico-conceituais e metodológicos dos discursos sobre a música de diversas tradições. O debate privilegia autores e textos representativos de diversas abordagens da pesquisa na área, visando intensificar a interlocução entre questões históricas, antropológicas, sociológicas, teóricas, analíticas e críticas, evidenciando as principais tendências e correntes de pensamento das subáreas em questão e suas respectivas inter-relações.

Seminários Avançados em Processos Criativos I (MUD 803). Prof. Liduino Pitombeira. Sextas-feiras, 14:00 às 17:00, Sala 2112 (20 vagas). Disciplina obrigatória para alunos da área de Processos Criativos do curso de Doutorado do PPGM-UFRJ e alunos externos em regime especial, caso haja vagas* – consulte a agenda no início da página. ➤ Mapeamento das questões críticas da pesquisa em Processos Criativos, com ênfase nas tendências recentes, refletindo sobre os problemas teórico-conceituais e metodológicos dos discursos sobre a música de diversas tradições. O debate privilegia autores e textos representativos de diversas abordagens da pesquisa em criação e performance musical, interpretação, escuta, sonologia e tecnologia musical, desde sua concepção, realização e recepção até sua tradução como produto audiovisual e bibliográfico de natureza científica.

Musicologia no universo ibero-americano (MUD 831). Profa. Maria Alice Volpe. Quintas-feiras, 14:00 às 17:00, Sala 2104 (15 vagas). Disciplina optativa para alunos matriculados nos cursos de Mestrado ou Doutorado do PPGM-UFRJ e alunos externos em regime especial – consulte a agenda no início da página. ➤ A disciplina visa uma introdução ao pensamento musicológico ibero-americano, observando a história institucional da pesquisa musical nos diversos países e conferindo ênfase às questões levantadas nas três últimas décadas. Os textos selecionados privilegiam autores representativos de diversos ângulos de um olhar crítico para a pesquisa em música, os problemas teórico-conceituais da área e a construção do discurso historiográfico-etnográfico musical.

Música e Pensamento Poético (MUD 819). Prof. Antonio Jardim. Terças-feiras, 11:00 às 14:00, Sala 2104 (15 vagas). Disciplina optativa para alunos matriculados nos cursos de Mestrado ou Doutorado do PPGM-UFRJ e alunos externos em regime especial – consulte a agenda no início da página.➤ Estudo acerca dos modos de realização da produção da Música, desde sua dimensão ontológica, isto é, entendida desde o que a música é e de seus modos de presentificação, quer dizer, em sua dimensão como o ente que necessita ser. A música entendida como o que se faz produzido, o que é dito em grego (poiésis), isto é, o poético, a criação. A música como: 1) constituição de espaço-tempo próprios, para além do tempo cronológico e do espaço compreendido como extensão; 2) privilegiado modo de constituição da memória (do passado, do presente e do futuro), de concretude; 3) criação de tempo kairótico-eônico e como superação temporal das dimensões crônicas; 4) criação de espaço ontológico manifesto onticamente, isto é, como superação espacial das dimensões extensivas. Os eixos temáticos da disciplina são, sobretudo, música e memória, música e pensamento, música e linguagem, música e criação, música e sociedade, e música e história.

Abordagens estruturais em música popular: métrica, melodia e relações tonais (Tópicos Especiais em Processos Criativos IV – MUD827). Prof. Carlos Almada. Quartas-feiras, 14 às 17 horas, Sala 2101 (15 vagas). Disciplina optativa para alunos matriculados nos cursos de Mestrado ou Doutorado do PPGM-UFRJ e alunos externos em regime especial – consulte a agenda no início da página. ➤ A presente disciplina examina três distintas abordagens, focalizadas em aspectos estruturais de gêneros musicais populares: métrica, construção melódico-harmônica e relações tonais. Vinculada ao projeto de pesquisa Abordagens sistemáticas de aspectos estruturais em música popular, a disciplina apresenta perspectivas teórica e analítico-metodológica, tomando como referência tanto teorias atuais consagradas nos referidos campos de estudo, quanto formulações originais produzidas no desenvolvimento do projeto-base. Essencialmente, os três eixos que compõem a estrutura da disciplina se associam aos seguintes referenciais: • Métrica – Teoria dos Espaços Métricos (originalmente Metric Spaces, COHN 2001), considerando ainda como textos de apoio LONDON (2001), MAYR & ALMADA (2017) e GUERRA (2018); • Construção melódico-harmônica – Teoria Schenkeriana aplicada à música popular, FORTE & GILBERT (1982), PANKHURST(2008), FORTE (1995), EVERETT (1998) e ALMADA (2010, 2012); • Relações tonais – Teoria Neorriemanniana aplicada à música popular, COHN (1998, 2012), KOPP (2002), GOLLIN (1998), CAPUZZO (2004) e ALMADA (2017, 2018).

Relações rítmicas entre o audível e o visível (Tópicos especiais em Processos Criativos I – MUD823 ). Profs. Rodolfo Caesar e Luiza Alvim. Terças-feiras, 10:00 às 13:00, Sala 2112 (15 vagas). Disciplina optativa para alunos matriculados nos cursos de Mestrado ou Doutorado do PPGM-UFRJ e alunos externos em regime especial – consulte a agenda no início da página. ➤ Discussão de temas de pesquisa em processos criativos nos campos interdisciplinares de música e cinema, enfocando o ritmo. Serão discutidos aspectos do ritmo na escuta musical e cinematográfica ou na experiência em geral, em diversas seções e interseções: as artes do cinema e do audiovisual, as artes do som, a música eletroacústica e a bioacústica. Examinaremos os ritmos a-métricos, as relações entre imagem sonora e imagem visual, o ritmo e a métrica em sons e padrões visuais ou de outros sentidos, entre a sinestesia e a multimodalidade, bem como aspectos rítmicos conferidos pelas defasagens entre fala e imagem em filmes com voz over, a partir de exemplos de filmes do cineasta francês Robert Bresson e do cinema contemporâneo.

Acompanhamento de projetos composicionais (Tópicos Especiais em Processos Criativos III – MUD826). Prof. Rodrigo Cicchelli. Segundas-feiras, 16:00 às 19:00, Sala 2101 (15 vagas). Disciplina optativa para alunos matriculados nos cursos de Mestrado ou Doutorado do PPGM-UFRJ e alunos externos em regime especial – consulte a agenda no início da página. ➤ Acompanhamento de projetos composicionais voltados para a produção de música instrumental/vocal, eletroacústica e/ou mista. Os projetos poderão incluir, mas não estão limitados a, composições instrumentais, vocais, acusmáticas sobre suporte, peças envolvendo instrumentos acústicos e recursos eletroacústicos, obras multimeios e/ou instalações sonoras. Os alunos deverão desenvolver projetos que tenham relação direta com seu tema de investigação na pós-graduação (mestrado ou doutorado) e receberão supervisão ao longo das fases de concepção, desenvolvimento e finalização dos projetos. Disciplina aberta a compositores, alunos do PPGM-UFRJ ou alunos externos em regime especial.