Integração com a Graduação

6. INTEGRAÇÃO COM A GRADUAÇÃO

6.1. Indicadores de integração com a Graduação

A Escola de Música da UFRJ possui em 2015 cerca de 300 alunos ativos, distribuídos em curso de Licenciatura e curso de Bacharelado, constituído pelas 26 seguintes habilitações:

a) Instrumento de Orquestra (Flauta, Oboé, Clarineta, Fagote, Trompa, Trompete, Trombone, Tuba, Harpa, Percussão, Violino, Viola, Violoncelo e Contrabaixo);
b) Órgão;
c) Cravo;
d) Composição;
e) Violão;
f) Bandolim;
g) Cavaquinho;
h) Canto;
i) Saxofone;
j) Regência Coral;
l) Regência de Orquestra;
m) Regência de Banda;
n) Piano.

Todos os docentes do Programa ministram disciplinas na graduação, com média de 12 horas-aula.

Da mesma forma, algumas disciplinas de graduação já refletem diretamente o conteúdo desenvolvido em projetos do PPGM-UFRJ. Os conteúdos são trazidos diretamente das pesquisas desenvolvidas na Pós-Graduação, com material didático original e alunos trabalhando em espaços fora da sala de aula, em encontros dos grupos de pesquisa, usando eventualmente aplicativos digitais ou material didático desenvolvidos pelo próprio grupo. Muitas vezes este tipo de aproximação acaba por estimular a entrada de novos participantes nos grupos de pesquisa.

Além das aulas em si, a integração do PPGM-UFRJ com a Graduação ocorre em 8 modalidades:

1) Atividades dos grupos de pesquisa;
2) Disciplinas compartilhadas entre PPGM-UFRJ e Graduação;
3) Iniciação Científica;
4) Colóquios de Pesquisa;
5) Projetos de extensão;
6) Estágios docentes.

6.1.1. Grupos de pesquisa

Os grupos de pesquisa do PPGM-UFRJ invariavelmente incluem alunos de graduação em suas atividades. Isto leva não só a uma interação direta entre discentes de Graduação e Pós-Graduação, que trabalham lado a lado nas atividades de pesquisa, como também na qualificação dos alunos ingressantes no Mestrado, que já trazem em sua bagagem a experiência de publicações em anais de eventos ou até mesmo de artigos em períodicos, além de já estarem familiarizados com o referencial teórico dos projetos. No momento o PPGM-UFRJ conta com os seguintes grupos em plena atividade:

1. Africanias
2. Cognição Musical em Processos Criativos – CMPC
3. Educação Musical, Musicalidade Abrangente e Diversidade Cultural
4. Laboratório de Etnomusicologia
5. Música Brasileira: Construção, Permanências e Apropriações
6. Música, Educação Poética e Pensamento
7. MusMat
8. NEV – Núcleo de Estudos do Violão
9. Novas Musicologias
10. Oficina de Música Contemporânea
11. Performance Hoje
12. Polo Caravelas Brasil
13. Ritmo, Corpo e Som

6.1.2. Disciplinas compartilhadas

Todas as disciplinas optativas do PPGM-UFRJ são compartilhadas com alunos externos, em regime especial, e com alunos do curso de Graduação em final de curso e com participação em projetos de Iniciação Científica. Em 2018, foram oferecidas 20 disciplinas optativas, cobrindo todas as linhas de pesquisa, com participação de alunos de Graduação. Grande parte das disciplinas contam também com a participação de professores de outras unidades, convidados para compartilhar pesquisas e trazer experiências de outros programas.

6.1.3. Iniciação Científica

O PPGM-UFRJ tem fomentado o desdobramento dos projetos de grupos de pesquisa de Pós-Graduação em projetos de Iniciação Científica na Graduação. A adesão ainda é minoritária, mas alguns resultados são expressivos, em termos de produção acadêmica, tanto bibliográfica (publicações, participação em Congressos) e em termos de produção de eventos (participação em cursos de extensão ou em eventos artísticos). Os grupos mais envolvidos no momento são o grupo “Africanias”, “MusMat” e o “Laboratório de Etnomusicologia”.

6.1.4. Colóquios de Pesquisa

O PPGM-UFRJ realiza anualmente o Colóquio de Pesquisa do PPGM-UFRJ, onde alunos, docentes e pesquisadores do programa e de instituições externas compartilham progressos das pesquisas, contando também com a participação de docentes e discentes dos cursos de Graduação, principalmente participantes dos projetos de Iniciação Científica, com o intuito de fortalecer a integração entre os diversos segmentos da Unidade. Na edição de 2018, foram apresentadas 64 comunicações, muitas delas de alunos de Graduação.

6.1.5. Projetos de extensão

6.1.5.1. Quinteto Experimental de Sopros da UFRJ

O trabalho do Laboratório de Práticas Interpretativas junto à Graduação também traz oportunidades de integração, ao conectar projetos de extensão (como o Quinteto Experimental de Sopros da UFRJ) com pesquisas de interpretação de repertório brasileiro histórico, gerando resultados importantes para a formação dos alunos de Graduação, como por exemplo, o intercâmbio com a Escola de Karlshuhe, que propiciou a viagem e estadia de vários alunos e grupos no conservatório alemão, enriquecendo a pesquisa com registros gravados (CDs) e concertos. O Quinteto Experimental também promove concertos com obras de alunos de Graduação e do PPGM-UFRJ, proporcionando a integração artística entre os dois níveis.

6.1.5.2. Projeto Compositores

O Projeto Compositores é uma iniciativa do Departamento de Composição em colaboração com o Laboratório de Música e Tecnologia que promove palestras de compositores consagrados, em nível nacional e internacional, com masterclasses para alunos de Graduação em Composição. Desde 2013, o Projeto Compositores convidou 25 compositores:

1. Marcos Lucas (UNIRIO)
2. Mario Ferraro (Cap – UFRJ)
3. Luigi Irlandini (UDESC)
4. Edino Krieger (FUNARTE)
5. Rogerio Vasconcelos (UFMG)
6. Mauricio Meza (IRCAM / MEXICO)
7. Edson Zampronha (USP / ESPANHA)
8. Rami Levin (CHICAGO)
9. Rodrigo Lima (UNESP)
10. Caio Senna (UNIRIO)
11. Ricardo Tacuchian (UFRJ)
12. Vania Dantas Leite (UNIRIO)
13. Sergio Saraceni (Berklee CM)
14. Dimitri Cervo (UFRGS)
15. Jocy de Oliveira (ABM)
16. Daniel Puig (UFSB)
17. Paulo Dantas (UNIRIO)
18. Mark Hagerty (USA)
19. Tatiana Catanzaro (UNICAMP / IRCAM)
20. Borislava Taneva (Bulgaria)
21. Artur Kampela (Brasil)
22. Guilherme Bertissolo (UFBA / Brasil)
23. Rael Toffolo (UNESP)
24. Clarice Assad (Brasil / EUA)
25. Bernardo Ramos (UFRJ)

6.1.5.3. Panorama da Música Brasileira Atual

O Panorama de Música Brasileira Atual é um dos mais importantes festivais de música contemporânea de concerto do país, criado em 1978 por Ricardo Tacuchian e promovida pelo Departamento de Composição da Escola de Música da UFRJ, com apoio do PPGM-UFRJ, há mais de trinta anos, tendo em 2018 sua XXIX Edição.

O festival reúne alunos de composição de de práticas interpretativas do PPGM-UFRJ e da Graduação, para a realização de concertos sinfônicos e de câmara, com chamada nacional, exclusivamente com estreias, e concomitante promoção de palestras e mesas redondas para discussão de assuntos ligados à composição, produção e realização de música de concerto contemporânea.

Junto ao festival, é promovido o Concurso Nacional de Composição Escola de Música da UFRJ, com chamada nacional e comissão julgadora local, que premia obras orquestrais com prêmio em dinheiro e a execução das estreias no concerto sinfônico do Panorama da Música Brasileira Atual.

Na edição de 2018, foram realizadas 72 estreias, além das três obras premiadas pelo Concurso Nacional de Composição.

6.2 – Estágio de docência

O PPGM-UFRJ tem como disciplina obrigatória o “Estágio Docente Supervisionado”, realizada em módulo único, cuja conclusão confere dois créditos ou seu equivalente em termos de carga horária, 30 horas.

A ementa prevê o acompanhamento das aulas do professor orientador na Graduação, e a regência pelo aluno de pelo menos duas aulas no semestre, com supervisão do orientador e retorno da turma com relação ao desempenho e às qualidades das aulas.

A partir do segundo período do seu curso o mestrando está habilitado a se inscrever na disciplina, tendo seu orientador como professor responsável.

Após a divulgação do quadro de disciplinas de Graduação da Escola para o período letivo seguinte, o mestrando combina com o orientador a definição da disciplina mais próxima de seu trabalho de pesquisa, cabendo ao orientador ou à coordenação do Programa formalizar o pedido ao professor da disciplina do curso de graduação.

Ao término do semestre o orientador encaminha um relatório das atividades do discente, onde detalha seu envolvimento e seus resultados.

O contato direto com alunos de graduação desafia os discentes pós-graduandos a refletir sobre questões artísticas e acadêmicas problematizadas pelos graduandos.

O “Estágio Docente Supervisionado” tem despertado, muitas vezes, o interesse dos pós-graduandos pela prática da docência, levando à participação em processos de seleção da Escola de Música da UFRJ ou de outras instituições de ensino superior.