MOUSIKÉ: um princípio de articulação do conhecimento desde a música

Projeto do Grupo de Pesquisa Música, Educação Poética e Pensamento
Antonio José Jardim e Castro, docente responsável
Celso Garcia De Araujo Ramalho, colaborador externo
Artur Gouvêa, doutorando
Elodie Bouny, doutorando
Patrícia Bandeira, doutorando
Pedro Albuquerque, doutorando
Tiago Vidal, doutorando
Alberto Kury, mestrando

Idioma alternativo para processo seletivo (Doutorado): espanhol ou francês

Introdução

O projeto que se intitula “MOUSIKÉ: um princípio de articulação do conhecimento desde a música“, além de disponibilizar material que sirva de fundamento às áreas compreendidas pelas disciplinas ligadas à Escola de Música da UFRJ e ao PPGM-UFRJ – Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ, trará necessariamente contribuições, de modo interdisciplinar, para áreas afins como Processos Criativos, Filosofia da Música, História da Música. Este trabalho pretende promover o resgate de uma dimensão originária com a criação artística, bem como, mais especificamente, entre a música, a poética, a criação e a filosofia, em que fique demonstrado o relacionamento intrínseco entre essas possibilidades de constituição de saber.

Tanto o que hoje entendemos por saber, quanto o que entendemos como poesia e ainda a própria filosofia, de certo modo, têm seu ponto de partida relacionado à atividade do músico, do aedo, do cantor, nas primevas culturas marcadas pela oralidade, isto é, nas cultura marcadas pelo fazer, pela poiesis, enfim, pela dimensão poética; este relacionamento desde muito cedo foi escamoteado por uma modalidade de pensamento que instituiu o saber em bases outras, isto é pela dimensões derivadas do mathema.

Para nós, talvez possa parecer estranho que o saber do poeta fosse considerado como ponto culminante do saber, a ponto de ter se transformado de um saber específico em um saber genérico; no entanto, essa estranheza é proveniente do modo como nos foi encaminhada a questão, ou as questões, relacionadas ao saber ou aos saberes. Não podemos nos esquecer de que somos uma civilização na qual a escrita tem desempenhado um papel decisivo. Se fizermos um esforço para compreender os mecanismos de conhecimento e, principalmente, de transmissão do conhecimento nas culturas ágrafas talvez possamos entender a importância que a poesia e o canto tiveram na constituição dessas culturas. Na cultura ocidental, não se deu diferentemente. Nas articulações com os saberes a memória desempenhou e, de certo modo, ainda desempenha um papel decisivo. Nas articulações do memorável, a música e mesmo as falas sempre tiveram um papel importante e, de alguma maneira, ainda é assim.

O projeto pretende restabelecer este vínculo numa dimensão marcada pela poeticidade da mousiké. Música, poesia e criação poética vivem hoje uma espécie de dissociação; este projeto pretende reaproximá-las, na medida de sua possibilidade, e com um radical compromisso com a realidade, realidade esta que sempre estará ligada de um ou de outro modo, à poiesis.

O modo como pretendemos, de início, promover essa reaproximação é tentando viabilizar um mapeamento da música, da poesia e da criação tratadas como questões filosóficas, isto é, fazendo um levantamento dos textos de filosófos que façam referência a elas enquanto questões capazes de despertar a atenção da filosofia, enquanto produção primordial do conhecimento. Assim, entendemos que o projeto propiciará não só um vasto levantamento de material didático, como propiciará a possibilidade de se iniciar uma tematização de discussões de fundamentos que sejam capazes de enriquecer as questões e formulações referentes tanto à música, quanto à poética e à criação, bem como uma rediscussão de princípios tão necessária para que se possa melhor compreender as estéticas que se pronunciaram ao longo do percurso histórico quer da música, da poesia, quer da criação tomada em sentido mais amplo, até a verdadeira perplexidade vigente em nossos dias no que se refere às questões produzidas pelos respectivos fazeres.

Justificativa e relevância do projeto

Este projeto se justifica simplesmente por se propor criar material textual e bibliográfico, além de atividades de pesquisa e extensão, que possibilitarão um relacionamento com as áreas compreendidas e supra-citadas que implica a busca de um aprofundamento das relações entre música, poética e criação. E ao mesmo tempo, como produzir reflexão sobre esses inter-fazeres. Sua relevância está precisamente em não se caracterizar por promover fazer ou fazeres dissociados com a questão do conhecimento e sua produção, sua criação. O entendimento fundamental que norteia esta proposta é a unidade entre o fazer e o saber, tentando promover a superação de uma falsa e falaz dualidade inconciliável. Fazer e saber se complementam e sempre se complementaram, não há possibilidade de terem vigor separadamente. Todo fazer imprescinde de um saber, bem como todo saber só se realiza no fazer. Entendido deste modo, o projeto poderá produzir não só conhecimento que se desdobre em formulações que permitam refletir sobre os fazeres artísticos e as possibilidades de pensá-los desde uma perspectiva fundamental, no sentido de torná-los cada vez comprometidos radicalmente com a realidade.

Objetivos Gerais

  1. Promover uma compreensão da música, dos processos criativos em música, da filosofia, da poética, enfim, das questões musicais capazes de serem abordadas de modo musical-filosófico, produzir uma, por assim dizer, filomusicosofia.
  2. Possibilitar um processo de inventário de textos em que a compreensão das questões da formação humana, desde a poética, desde a mousiké, enquanto instância primordial dos fazeres ensejados pela criação em geral e pela música em particular, e o modo como esses fazeres sejam capazes de se realizar enquanto conhecimento.

Objetivos Específicos

  1. Realizar fichamentos dos textos que abordem as questões da criação musical, da filosofia e da poesia.
  2. Facilitar o acesso ao texto que tematize o papel da música em sua dimensão criação, bem como a formação humana, a poética e a criação poética (artística).
  3. Criar material de pesquisa para fundamentar novos trabalhos sobre os fundamentos da música, de uma teoria do conhecimento a ela associada, da formação humana, da poética e da criação.
  4. Realizar a publicação periódica do material, que dê conta do levantamento realizado, com um índice temático que organize e catalogue o material obtido.

Metodologia e Plano de trabalho

O projeto compreende as seguintes etapas:

  1. Levantamento do material, em princípio, a cargo de dois bolsistas de iniciação científica, bem como dos demais possíveis integrantes do projeto, sob a supervisão do professor orientador;
  2. Estabelecimento dos critérios de organização, ordenação, catalogação e redação sobre o material obtido, a cargo do professor orientador e dos bolsistas;
  3. Classificação e organização dos textos, a cargo do professor orientador e dos bolsistas;
  4. Redação final do trabalho, isto é, material a ser publicado, sob a supervisão a cargo do professor orientador;
  5. Elaboração dos relatórios finais da pesquisa.

Referências

ARISTÓTELES. 1943. Metafísica. Buenos Aires: Espasa-Calpe.

_____. 1985. Organon. Lisboa: Guimarães Editores.

_____. 1986. La Metafisique. Paris: Vrin.

_____. 1990. O que é Cultura Popular. 14ª ed. São Paulo: Brasiliense.

BENJAMIN, Walter.1987. Magia e Técnica, Arte e Política. São Paulo: Brasiliense.

CASTRO, Manuel Antonio. 1982. O Acontecer Poético. Rio de Janeiro: Antares.

_____. 1994. Tempos de Metamorfose. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

DELEUZE, Gilles. 1974. Lógica do Sentido. São Paulo: Perspectiva.

_____. 1976. Para Ler Kant. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

FOUCAULT, Michel. 1981. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes.

_____. 1981. Nietzsche, Freud, Marx. Barcelona: Anagrama.

FREIRE, Paulo. 1977. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

_____. 1977. Ação Cultural para a Liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

_____. 1978. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

HEIDEGGER, Martin. 1962b. Le principe de raison. Paris: Gallimard.

_____. 1967. Sobre o humanismo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

_____. 1969. Da experiência do pensar. Porto Alegre: Globo.

_____. 1971b. Nietzsche I. Paris: Gallimard.

_____. 1971c. Nietzsche II. Paris: Gallimard.

_____. 1976a. Acheminement vers la parole. Paris: Gallimard.

_____. 1989. Conceptos Fundamentales. Madrid: Alianza Editorial.

_____. 1990. A origem da obra de arte. Lisboa: Edições 70.

_____. 1995. Língua de tradição e língua técnica. Lisboa: Passagens.

LEÃO, Emmanuel Carneiro. 1977a. Aprendendo a Pensar, vol. I. Petrópolis: Vo¬zes.

_____. 1991. Aprendendo a pensar, v. II. Petrópolis: Vozes.

NETTL, Bruno. 1985. Música Folclórica y tradicional de los continentes occidentales. Madrid: Alianza.

PAYNTER, John, ASTON, Peter. 1970. Sound and Silence. Londres: Cambridge University.

RILKE, Rainer Maria.1989. Sonetos a Orfeu. Elegias a Duíno. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes.

ROWELL, Lewis. 1985. Introducón a la Filosofia de la Música. Buenos Aires: Gedisa

WITTGENSTEIN, Ludwig. 1975. Investigações Filosóficas. São Paulo: Abril Cultural.

______. 1985. Tractatus Logico-Philosophicus. Madrid: Alianza.