O caso da obra Cânticos de Obaluayê de Francisco Mignone

O caso da obra Cânticos de Obaluayê de Francisco Mignone 📄
Andrea Albuquerque Adour da Camara | Sandro Fatorerá

Resumo: Este artigo apresenta o resultado da investigação a respeito da presença do legado africano na obra Cânticos de Obaluayê de Francisco Mignone, publicada em 1934 pela Edição Impressão Moderna. O texto desta canção está integralmente em língua yorubá, o que traz aos intérpretes diversos desafios. Foi realizada pesquisa em fontes documentais advindas do universo escrito bem como do oral. Foram usadas as seguintes fontes: a hemeroteca digital da Biblioteca Nacional, a publicação Melodias Registradas por Meios não Mecânicos (1946), de Oneyda de Alvarenga e a publicação Os Africanos no Brasil de Nina Rodrigues (1932), o trabalho foi realizado supervisionado pelo babalawo Sandro Fatorerá, co-autor deste trabalho, abarcando o testemunho da história oral. Foi construído um pequeno vocabulário com o qual espera-se contribuir para o estudo e interpretação desta canção.

Palavras-chave: Cânticos de Obaluayê. Francisco Mignone. Canção brasileira. Africanias.