O violão no Rio de Janeiro: o olhar para a trajetória social

Projeto de pesquisa do Grupo de Pesquisa NEV – Núcleo de Estudos do Violão

Marcia Taborda, docente responsável
João Vidal, docente
Marcello Gonçalves, doutorando
Marco Antonio Lima, doutorando
José Alisson, mestrando
Luiz Claudio Coutinho, mestrando

Apresentação

Este projeto de pesquisa propõe documentar e analisar a trajetória social empreendida pelo violão no Rio de Janeiro desde sua introdução – em princípios do século XIX, aos dias de hoje, focalizando aspectos diversos deste percurso, quais sejam, os ambientes em que foi praticado, a representação social do uso do instrumento e o repertório a ele dedicado seja no âmbito da música popular quanto da música de concerto. Diversas etapas deste trabalho tem sido empreendidas ao longo dos últimos anos, apresentando resultados compartilhados em reuniões científicas e publicações. Este projeto tem por objetivo geral documentar a inserção do violão na cultura musical carioca, desde o momento de sua chegada em princípios do século XIX. Para tanto, se pretende:

  1. Compreender o lugar social ocupado pelo violão – e naturalmente seus praticantes – ao longo dos diferentes momentos históricos que constituíram a cultura musical do Rio de Janeiro.
  2. Destacar a importância do instrumento e a atuação dos músicos nas festas populares da cidade.
  3. Investigar no processo de substituição da viola pelo violão, o enfraquecimento da luteria portuguesa e a ascensão das fábricas de instrumentos musicais de origem italiana.
  4. Compreender a importância do desempenho ao violão no âmbito do surgimento e da consolidação da indústria fonográfica.
  5. Relacionar com dados precisos o enorme repertório que tem o violão como principal veículo sonoro, abrangendo a produção musical do Império aos dias de hoje.
  6. Revelar os principais gêneros musicais praticados pelos compositores brasileiros.
    Investigar, a partir da análise dos métodos de ensino, o alcance social da difusão dos elementos constitutivos peculiares à técnica brasileira de execução.
  7. Elaborar o perfil biográfico dos compositores que contribuíram para a criação deste acervo, ressaltando a importância de sua obra para a literatura do violão brasileiro.
  8. Fornecer ferramentas de pesquisa que serão disponibilizadas para consulta eletrônica no sítio do Núcleo de Estudos do Violão da Escola de Música da UFRJ (Contemplado com projeto da Faperj).

Referências

ABREU, Martha. O império do divino: festas religiosas e cultura popular no Rio de Janeiro, 1830-1900. Rio de Janeiro:  Nova Fronteira. São Paulo: Fapesp, 1999

ANDRADE, Mário de. Aspectos da música brasileira. São Paulo: Martins, 1975

_________. Ensaio sobre a música brasileira. São Paulo: Livraria Martins Editora, s.d.

________. Modinhas imperiais. Belo Horizonte: Itatiaia, 1980

ALMEIDA, Manuel Antônio de Almeida. Memórias de um sargento de milícias. 6.ed. São Paulo: Ática, 1976

ALMEIDA, Renato. História da música brasileira. Rio de Janeiro: Briguiet e Comp, 1942

ASSIS, Machado de. Obra Completa. Volume III. Rio de Janeiro: Editora José Aguillar Ltda, 1962

AZEVEDO, Aluísio de. O cortiço. 25a. ed. São Paulo: Ática, 1992

AZEVEDO, Luiz Heitor Corrêa de. 150 anos de música no Brasil. Rio de Janeiro: José Opympio, 1956

BARRETO, Lima. Triste fim de Policarpo Quaresma. São Paulo: Brasileira, 1989

BEHAGUE, Gerard. The beginnings of musical nationalism in Brazil. Detroit: Information Coordinators, 1971. (Detroit Monographs in Musicology, nº 1)

BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 2.ed.1993

BURKE, Peter (org). A escrita da História: novas perspectivas. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1992

_____.   Cultura Popular na Idade Moderna. 2.ed.tradução Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1989

CARVALHO, José Murilo de. Pontos e bordados: escritos de história e política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998 .

_____ . Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1987

CERNICCHIARO, Vincenzo. Storia della musica nel Brasile. Milano: Fratelli Riccioni, 1926

CHARNASSÉ, Helène. La guitarre. Presses Universitaires France – Collection Que Sais-Je? Paris, 1985

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1988

CHIMÈNES, Myriam.  Musicologie et histoire: Frontière ou “no man’s land” entre deux disciplines?.    In Revue de Musicologie, T. 84, No. 1 (1998), pp. 67-78

EVANS, Tom et Mary Evans. Le grand livre de la guitarre. De la renaissance au rock. Albin Michel. Paris, 1979

FRANCASTEL, Pierre. Imagem, visão e imaginação. Lisboa: Ed. 70, 1983

FREIRE, Gilberto. Casa grande e senzala. Formação da família brasileira sob o regime da Economia patriarcal. Rio de Janeiro | Brasília: Livraria José Olímpio Editora, 1981

GAMA, Mauro. José Maurício, o padre-compositor. Rio de Janeiro: Funarte, 1983

GERSON, Brasil. História das ruas do Rio: e da sua liderança na história política do Brasil. 5ª ed.  Rio de Janeiro: Lacerda Ed., 2000

GRUNFELD, Frederic V. The art and times of the guitar – An illustrated history of guitar and Guitarists. Macmillan Publishing Co, Inc. New York – Colbier Macmillan Publishers, London, 1969.

HOLANDA, Sérgio. B.de. Raízes do Brasil. 9ªed.São Paulo: Companhia Editora Nacional/Secretaria de Cultura, Ciência e Tecnologia, 1977

KIEFER, Bruno. A modinha e o lundu. Porto Alegre: Movimento, 1986

LIMA, Oliveira. D.João VI no Brasil. 3ª ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 1996

LUCCOCK, John. Notas sobre o Rio de Janeiro e partes meridionais do Brasil. Tradução Milton da Silva Rodrigues.  Belo Horizonte: Itatiaia, 1975

MARTINS, Wilson. História da inteligência brasileira. São Paulo: Editora Cultrix, 1977

MELLO, Guilherme  Teodoro Pereira de. A música no Brasil: desde os tempos coloniais até o primeiro decênio da República. 2a ed. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1942

MODINHAS luso-brasileiras. Transcrição e estudo de Gerhard Doderer. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, Serviço de Música, 1984.  (Portugaliae Musicae, Série B, v. 44)

MORAES FILHO, Melo. Artistas do meu tempo. Rio de Janeiro: Garnier, 1905

________.  Festas e tradições populares do Brasil. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1979

OLIVEIRA, Ernesto Veiga de. Instrumentos musicais populares portugueses. 3ª ed. Fundação Calouste Gulbenkian/ Museu Nacional de Etnologia. Lisboa, 2000.

RENAULT, Delso. O Dia-a-Dia no Rio de Janeiro segundo os jornais, 1870-1889. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira/INL, 1982.

SANTOS, Iza Queiroz. Origem e evolução da música em Portugal e sua influência no Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1942

SPIX  e MARTIUS. Viagem pelo Brasil – 1817/1820.   2a ed. São Paulo: Melhoramentos, s.d.

TABORDA, Marcia Ermelindo. Contrastes da vida moderna: Os loucos anos 20 no Rio de Janeiro. In

Revista  Escritos n. 8. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2016.

_____.  Violão e identidade nacional: Rio de Janeiro 1830-1930. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011

______. Da viola à viola grande: à trajetória do violão.  In Lopes, Herculano; Abreu, Martha; Ulhoa, Martha (org), Música e história no longo século XIX. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 2011

______. Dino sete cordas e o acompanhamento de violão na M.P.B. Dissertação de mestrado. Escola de Musica da UFRJ. Rio de Janeiro: 1995

TINHORÃO, José Ramos. História social da música popular brasileira. São Paulo: 34, 1998

_______. As festas no Brasil Colonial. São Paulo: 34, 2000               

______. Música popular de índios, negros e mestiços. Petrópolis: Vozes, 1972

_______. Música popular – do gramofone ao rádio e TV. São Paulo: Ática, 1981

_______. Pequena História da música popular;da modinha ao tropicalismo. 5.ed. São Paulo: Art, 1986

TURNBULL, Harvey. The guitar from the Renaissance do the present day. London: B.T.Batsford Ltd, 1976

VASCONCELOS, Ary. Panorama da música popular brasileira na Belle Époque. Rio de Janeiro: Livraria Santana, 1977

_______. Raízes da música popular brasileira. São Paulo: Martins, 1977

VITERBO, Souza. Artes e artistas em Portugal. 2a ed. Lisboa: Ferin, 1920