Práticas de conjunto e música de câmara brasileira: história e perspectivas interpretativas, parte I: o longo século XIX

Projeto de pesquisa
Antonio Augusto, docente responsável
Jessé Sadoc, mestrando

Apresentação

O objetivo geral deste projeto é pesquisar – no âmbito da musicologia histórica, as práticas de conjunto e a música de câmara no Brasil no período de 1870 a 1970, suas particularidades e consonâncias, bem como suas possíveis imbricações com a performance historicamente informada.

Interessa-nos documentar e refletir sobre os processos de formação e institucionalização das práticas de conjunto e da música de câmara, suas imbricações com as diversas práticas musicais brasileiras, bem como suas relações com conceitos de identidade, nacionalismo e cultura através das ações sociais empreendidas pelos agentes envolvidos na criação, produção, investimento e consumo deste produto cultural.

Referências

ALMEIDA, Renato. História da música brasileira. Rio de Janeiro: F. Briguiet e comp. Editores, 1942.

ANDRADE, Ayres. Francisco Manuel da Silva e seu tempo. Rio de Janeiro: Edições Tempo Brasileiro. 1967. Vol. I e II.

AUGUSTO, Antonio José. A questão Cavalier: música e sociedade no Império e na República do Brasil. Rio de Janeiro: Folhas Secas, 2011.

__________. Henrique Alves De Mesquita: da perola mais luminosa a poeira do esquecimento. Rio de Janeiro: Folhas Secas, 2014.

CARDOSO, André. A música na Capela Real e Imperial do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Música, 2005.

CARVALHO, José Murilo de. A construção da ordem: a elite política imperial. Teatro das  Sombras: a política imperial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

__________________________. Pontos e bordados: escritos de história e política. Belo 8

__________________________. Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

__________________________. A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CARVALHO, Ítala Gomes de. A vida de Carlos Gomes. Rio de Janeiro: A Noite Editora, 1937.

CASTAGNA, Paulo. Um século de música brasileira de José Rodrigues Barbosa. Pesquisa referente ao triênio 2004-2006 no Instituto de Artes da UNESP. São Paulo, 2007.

___________________. Fontes bibliográficas para a pesquisa da prática musical no Brasil nos séculos XVI e XVII. Dissertação de mestrado. São Paulo: USP, Escola de Comunicação e Artes, 1991.

CASTRO, Celso. Os militares e a República: um estudo sobre cultura e ação política. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995.

CERNICCHIARO, Vincenzo. Storia della musica nel Brasile: dai tempi coloniali sino ai nostri giorni (1549-1925). Milão: Fratelli Riccioni, 1926.

DART, Thurston. Interpretação da música. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

DINIZ, Edinha. Chiquinha Gonzaga: uma história de vida. Rio de Janeiro: Record, 1999.

FERLIM, Uliana Dias Campos. A polifonia das modinhas: diversidade e tensões musicais no Rio de Janeiro na passagem do século XIX ao XX. Dissertação (mestrado). Universidade Estadual de Campinas. Departamento de História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. 2006.

FRANCESCHI, Humberto. A casa Edison e seu tempo. Rio de Janeiro: Sarapuí, 2002.

_______________________. Registros sonoros por meios mecânicos no Brasil. Rio de Janeiro: Studio HMF, 1984.

GIRON, Luis Antonio. Minoridade crítica: a ópera e o teatro nos folhetins da corte: 1826-1861. São Paulo: Editora das universidades de São Paulo,-Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

HEITOR, Luiz. 150 anos de música no Brasil (1800-1950). Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1956.

_____________. Músicos e música do Brasil. Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil, 1950

KATER, Carlos. Música viva e H. J. Koellreutter: movimentos em direção à modernidade. São Paulo: Musa, 2001.

KRAMER, L. Music as Cultural Practice 1800-1900. Berkeley, Los Angeles, London: University of California Press, 1990.

LANGE, Francisco Curt. Los conjuntos musicales ambulantes de Salzgitter y su propagacion en Brasil y Chile durante el siglo XIX. In: Latin American Music Review / Revista de Música Latinoamericana, Vol. 1, No. 2 (Autumn – Winter, 1980), pp. 213-252

LEME, Mônica. Mercado editorial e música impressa no Rio de Janeiro (século XIX) – modinhas e lundus para “iaiás” e “trovadores de esquina”. I Seminário Brasileiro sobre Livro e História Editorial. Anais… Casa de Rui Barbosa, Rio de Janeiro. 8 a 11 de novembro de 2004. Disponível em: http://www.livroehistoriaeditorial.pro.br/pdf/monicaleme.pdf. Acessado em 21 de agosto de 2012.

LIMA, Evelyn Furquim Werneck. Arquitetura do espetáculo: teatros e cinemas na formação da Praça Tiradentes e da Cinelândia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2000.

MAGALDI, Cristina. Music for the Elite: musical societies in Imperial Rio de Janeiro. In: Revista de Música Latino-americana. 1995, Vol. 16, nº. 1. pp. 1-41.

MAYER, Brown e SADIE, Stanley. Performance practice – music after 1600. Londres: W. W. Norton & Company, 1989.

MELO, Maria Teresa Chaves. A República Consentida: cultura democrática e cientifica do final do Império. Rio de Janeiro: Editora FGV: Editora da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (Edur), 2007.

MENCARELLI, Fernando Antonio. A voz e a partitura: teatro musical, indústria e diversidade cultural no Rio de Janeiro (1868-1908). Campinas, SP: [s.n.], 2003. Tese doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas.

MORAES, Eduardo Jardim. A brasilidade modernista: sua dimensão filosófica. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1978.

NAVES, Santuza Cambraia; COELHO, Frederico Oliveira; BACAL, Tatiana; MEDEIROS, Thais. “Levantamento e comentário crítico de estudos acadêmicos sobre música popular no Brasil”. In ANPOCS bib – Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais 51, São Paulo, 1o. semestre de 2001.

NEVES, José Maria. Música contemporânea brasileira. São Paulo: Ricordi Brasileira, 1981.

PAOLA, Andrely Quintella de; GONSALES, Helenita Bueno. Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro: História & Arquitetura. Rio de Janeiro: UFRJ, SR5, 1998.

PECHMAN, Robert Moses. Cidades estreitamente vigiadas: o detetive e o urbanista. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002.

PENA, Martins. Folhetins – A semana Lírica. INL: Rio de Janeiro, 1965.

PEREIRA, Avelino Romero Simões. Música, sociedade e Política: Alberto Nepomuceno e a República Musical do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2007.

PINHO, Wanderley. Salões e Damas do Segundo Império. São Paulo: Livraria Martins Editora, (s.d.) 2ª. Edição.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de Queiroz. Identidade Cultural, Identidade Nacional no Brasil. In Tempo Social; Rev. Sociol. USP, S. Paulo, 1sem. 1989.

QUEIROZ, Paulo Sérgio Trindade. A mágica e sua inserção nos processos culturais do Rio de Janeiro: Final do século XIX e inicio do século XX. Dissertação de mestrado. Escola de Música da UFRJ, Janeiro de 2004.

REIS, Ângela. Cinira Polônio, a divette carioca: estudo da imagem pública e do trabalho de uma atriz no teatro brasileiro da virada do século XIX. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1999.

REIS, Letícia Vidor de Sousa. “O que o rei não viu”: música popular e nacionalidade no Rio de Janeiro da Primeira República. In: Estudos Afro-Asiáticos, Ano 25, nº. 2, 2003, pp. 237-279

ROWLAND, Robert. Patriotismo, povo e ódio aos portugueses: notas sobre a construção da identidade nacional no Brasil independente. In: Istvan Jancó: Brasil. Formação do Estado e da Nação. São Paulo: Hucitec, 2003.

SALLES, Vicente. Épocas do Teatro no Grão-Pará ou Apresentação do Teatro de Época. Tomo I. Belém: UFPA, 1994.

SEIDLER, Carl. Dez anos no Brasil. Brasília: Senado Federal, Conselho Editorial, 2003.

SEVCENKO, Nicolau. Literatura como missão: tensões sociais e criação cultural na Primeira República. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SHEPHERD, John. Towards a sociology of musical styles. In: Lost in music: culture, style and the musical event. WHITE, Avron Levine et all. Londres, Nova Iorque: Routledge & Kegan Paul, 1987

SIQUEIRA, Baptista. Ernesto Nazareth na música brasileira. Rio de Janeiro: Casa Bruno Mandarino, 1967

__________________ . Do conservatório a Escola de música – ensaio histórico. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1972.

__________________. Três vultos históricos da música brasileira: Mesquita-Callado-Anacleto. Rio de Janeiro: Edição do autor, 1969.

SOUZA, Silvia Cristina Martins de. As noites do Ginásio: teatro e tensões culturais na Corte (1832-1868). Campinas, SP: Editora da Unicamp, CECULT, 2002.

_______________________________. Um Offenbach tropical: Francisco Correa Vasques e o teatro musicado no Rio de Janeiro da segunda metade do século XIX. In: Histórias e Perspectivas. Uberlândia (34): 225-259, jan.jun. 2006.

_______________________________. Cá estou outra vez em cena: diálogos políticos nas “scenas cômicas” de Francisco Correa Vasques. In: Sæculum – REVISTA DE HISTÓRIA [12]; João Pessoa, jan./ jun. 2005.

SQUEFF, Letícia Coelho. A reforma Pedreira na Academia de Belas-Artes (1854-1857) e a constituição do espaço social do artista. In: Cadernos Cedes, ano XX, nº. 51, novembro de 2000.

TINHORÃO, José Ramos. História Social da Música Popular Brasileira. São Paulo: Ed. 34, 1998.

_______________________. Pequena história da música popular. São Paulo: Circulo do livro, s.d.

TRAVASSOS, Elizabeth. Modernismo e música brasileira. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2000.

VASCONCELLOS, Ary. Raízes da música popular brasileira. Rio de Janeiro: Rio Fundo Ed., 1991.

VENEZIANO, Neyde. O teatro de revista. In: O teatro através da história. Carlinda Fregale Pate Nuñez et alii. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil; Entourage Produções Artísticas, 1994.

WISNIK, José Miguel; SQUEFF, Enio. O nacional e o popular na cultura brasileira: Musica. São Paulo: Editora brasiliense, 1982.