Práticas de interlocução e registro etnográfico sobre o trabalho com música

Projeto de pesquisa do Grupo Laboratório de Etnomusicologia
José Alberto Salgado, docente responsável
Frederico Barros, docente
Jamerson Farias, doutorando
Flora MIlito, mestranda

Idioma para processo seletivo (Doutorado)
francês

Resumo

O projeto conjuga dois interesses gerais, com igual relevância: o primeiro, na construção e avaliação de pesquisas etnográficas, entendidas em sentido amplo, e o segundo, na problematização da música como trabalho. Mediante análise e experimentação de produções etnográficas sobre práticas de música, o projeto congrega ações e reflexões que tenham como alvo comum o desenvolvimento crítico e criativo das práticas de interlocução, de teorização e de composição de textos, em pesquisas de nossa área. Este foco na forma e na ética das ações epistêmicas se conjugará com o outro plano de atenção: a tematização do trabalho com música — tomado como objeto de estudo em qualquer de suas múltiplas modalidades e etapas de produção. A diversidade do trabalho musical, em frentes de ensino, aprendizagem, composição e interpretação, por exemplo, configura-se em meio a diferentes sistemas de trocas ou modos operacionais, em que se articulam modos de fazer, produtos, dispositivos e valores mais ou menos específicos. Esses modos e suas condições merecem análise continuada, para compreensão de uma complexidade que está em jogo quando as pessoas trabalham, em determinado papel, com determinada música. Sintetizando, buscaremos uma compreensão — etnográfica, histórica e interdisciplinar — de problemas do trabalho musical, a partir de interlocuções entre agentes que pesquisam/ensinam e agentes que realizam música. (Sabendo-se que, em nosso contexto, esses papéis frequentemente se interceptam). Os participantes do projeto atuarão como articuladores de processos de interlocução, no âmbito do grupo e, para além dele, de outros trabalhos e iniciativas musicais em que atuem, testando ações, procedimentos e teorizações. Com a elaboração de textos e outros registros, e sua comunicação gradual em espaços e publicações de tipo variado, colocaremos os pressupostos, métodos, formas e resultados em constante avaliação crítica — compartilhada com estudantes, profissionais e outros agentes das práticas musicais, durante a vigência do projeto.

Referências

Becker, Howard Saul. Art Worlds. 25th anniversary ed., updated and expanded. Berkeley, Calif.: Univ. of California Press, 2011.

Becker, Howard Saul. Tricks of the trade: how to think about your research while you’re
doing it. Chicago guides to writing, editing, and publishing. Chicago, Ill: University of
Chicago Press, 1998.

Boltanski, Luc. L’amour et la justice comme compétences: trois essais de sociologie de l’action. Folio Essais 547. Paris: Gallimard, 2011.

Bourdieu, Pierre. Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

______. Raisons pratiques: sur la théorie de l’action. Points Essais 331. Paris: Éd. du
Seuil, 2012.

Clifford, James. A Experiência Etnográfica: antropologia e literatura no século XX. Rio
de Janeiro: UFRJ, 2002.

DeNora, Tia. After Adorno: rethinking music sociology. Cambridge; New York: Cambridge
University Press, 2003.

Hennion, Antoine. La Passion Musicale. Paris: Métailié, 2007

Hennion, Antoine. “Pragmática do Gosto”. Desigualdade & Diversidade – Revista de
Ciências Sociais da PUC-Rio, no. 8 (julho de 2011): 253–77.

LaCapra, Dominick. “Rethinking Intellectual History and Reading Texts”. History and
Theory 19, no 3 (outubro de 1980): 245. doi:10.2307/2504544.

Latour, Bruno. Reassembling the social: an introduction to actor-networktheory. Clarendon lectures in management studies. Oxford; New York: Oxford University Press, 2005.

Salgado, José Alberto. Questões de método e interlocução em pesquisas com práticas de
música. El oído pensante, vol. 2, n°2, 2014.

Skinner, Quentin. Visions of politics. Vol. 1: Regarding Method. 3 vols. Cambridge; New
York: Cambridge University Press, 2002.

White, Hayden. Meta-história: a imaginação histórica do século XIX. São Paulo (SP):
EDUSP, 1995.