Sistematização de processos composicionais fundamentados nos princípios da Grundgestalt e da Variação Progressiva

Projeto de pesquisa do Grupo MusMat
Carlos de Lemos Almada, docente responsável
Liduino Pitombeira, docente
Pauxy Gentil-Nunes, docente
Desirée Mayr, doutoranda
Érico Bomfim, doutorando

Idioma para processo seletivo (Doutorado)
alemão

Descrição e objetivos

Tomando como base os princípios teóricos da Grundgestalt e o da Variação Progressiva, ambos concebidos por Arnold Schoenberg, este projeto tem como objetivo essencial a produção de estudos sistemáticos sobre a variação musical, nas perspectivas analítica (para o exame de obras compostas organicamente) e composicional, a partir do emprego de ferramentas computacionais especialmente desenvolvidas para tais finalidades.

Ambos os conceitos schoenberguianos resultam de uma concepção organicista da criação musical, que influenciou decisivamente parte da música austro-germânica entre os finais do século XVIII e início do século XX, o que é especialmente verificado na obra da linhagem Mozart – Beethoven – Brahms – Schoenberg – Berg.

Concisamente, uma Grundgestalt (termo que pode ser livremente traduzido como “formato primordial”), representaria o conjunto de elementos básicos do qual, ao menos idealmente, todo o material motívico-temático de uma obra musical poderia ser extraído. Tal processo construtivo e estruturante seria realizado, principalmente, por intermédio da variação progressiva, a partir de desenvolvimento gradual das ideias musicais, que se transformam pouco a pouco em novas formas temáticas, em diferentes gradações de similaridade e contraste.

Em outros termos, é possível considerar que o poder estruturante da Variação Progressiva replica o crescimento orgânico, biológico, podendo fazer surgir linhagens e gerações de formas derivadas do material inicial, assim como uma planta completa realiza as implicações (mais precisamente, as instruções de construção genéticas) presentes em sua semente.

Trabalhos publicados resultantes da pesquisa

ALMADA, Carlos de L. Novas perspectivas para a análise derivativa. Revista do Conservatório de Música da UFPel, Pelotas, n.6, 2013a, p. 164-206.

_______________. Considerações sobre a análise de Grundgestalt aplicada à música popular. Per Musi – Revista Acadêmica de Música, Belo Horizonte, n.29, 2013b, p. 117-124.

_______________. O Sistema-Gr de composição musical baseada nos princípios de variação progressiva e Grundgestalt. Música e Linguagem, Vitória, vol. 2, nº 1, p.1-16, 2013c.

_______________. GENEMUS: ferramenta computacional para composição com Grundgestalt e variação progressiva. In: XXIII ENCONTRO ANUAL DA ANPPOM, 2013d. Natal. Anais… João Natal: UFRN, 2013.

_______________. Comparação de contornos intervalares como parâmetro de medição de similaridade. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE TEORIA E ANÁLISE MUSICAL, 3., 2013e, São Paulo. Anais… São Paulo: ECA-USP, 2013.

_______________. Simbologia e hereditariedade na formação de uma Grundgestalt: a primeira das Quatro Canções Op.2 de Berg. Per Musi – Revista Acadêmica de Música, Belo Horizonte, n.27, 2013f, p.75-88.

_______________. Aplicações composicionais de um modelo analítico para variação progressiva e Grundgestalt. Opus, Porto Alegre, vol.18, nº 1, 2012a, p.127-152.

_______________. Um modelo analítico para variação progressiva e Grundgestalt. In: XXII ENCONTRO ANUAL DA ANPPOM, 2012. João Pessoa. Anais … João Pessoa: UFPB, 2012b.

_______________. A estrutura derivativa e suas contribuições para a análise e para a composição musical. In: IV ENCONTRO DE MUSICOLOGIA DE RIBEIRÃO PRETO, IV, 2012c, Ribeirão Preto. Anais… Ribeirão Preto: EDUSP, p.205-214, 2012c.

_______________. Derivação temática a partir da Grundgestalt da Sonata para Piano op.1, de Alban Berg. In: II Encontro Internacional de Teoria e Análise Musical. Anais… São Paulo: UNESP-USP-UNICAMP, 2011a. 1 CD-ROM (11 p.).

_______________. A variação progressiva aplicada na geração de ideias temáticas. In: II SIMPÓSIO INTERNACIOAL DE MUSICOLOGIA. Anais… Rio de Janeiro: UFRJ, 2011b, p.79-90, 2011.

CARVALHO NETO, Azael F. & ALMADA, Carlos de L. Uma aplicação do Sistema-Gr de composição musical. In: XXIII ENCONTRO ANUAL DA ANPPOM, 2013. Natal. Anais… João Natal: UFRN, 2013.

MAYR, Desirée & ALMADA, Carlos de L. Uma aplicação da análise derivativa na música romântica brasileira: O primeiro movimento da Sonata para Violino e Piano Op.14, de Leopoldo Miguéz. In: I CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TEORIA E ANÁLISE MUSICAL, 2014. Salvador. Anais… Salvador: UFBA, 2014, p.19-37

Referências

AUERBACH, Brent. The analytical Grundgestalt: A new model und methodology based on the music of Johannes Brahms. Walden, 2005. 140 ff. Tese (Doutorado em Música). University of Rochester.

BOSS, Jack. Schoenberg’s op. 22 radio talk and developing variation in atonal music. Music Theory Spectrum, vol. 14, no. 2, 1992, p. 125-149.

BURTS, Devon. An application of the grundgestalt concept to the First and Second Sonatas for Clarinet and Piano, Op. 120, no. 1 & no. 2, by Johannes Brahms. Tampa, 2004. 66 f. Dissertação (Mestrado em Música). University of South Florida.

CARPENTER, Patricia. Grundgestalt as tonal function. Music Theory Spectrum, vol. 5, 1983, pp. 15-38.

COLLEEN, Marie C. The lessons of Arnold Schoenberg in teaching: The Musikalische Gedanke.  2009. Tese (Doutorado em Filosofia) – University of North Texas.

DAHLHAUS, Carl. Schoenberg and the New Music (Derrik Puffett & Alfred Clayton, trad.). Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

DEUTSCH, Diana. Music recognition. Psychological Review, vol.76, 1969, p.300-377.

DEUTSCH, Diana & FEROE, John. The internal representation of pitch sequences in tonal music. Psychological Review, vol.88, no.6, 1981, p.503-522.

DOWLING, W. Jay. Scales and contour: Two components of a theory of memory for melodies. Psychological Review, vol.85, no.4, 1978, p.341-354.

DUDEQUE, Norton. Variação progressiva como um processo gradual no primeiro movimento do Quarteto A Dissonância, K. 465, de Mozart. PerMusi, vol.8, UFMG, 2003, p. 41-56.

________________. Music theory and analysis in the writings of Arnold Schoenberg (1874-1951). Aldershot: Ashgate Publishings, 2005.

________________. Schoenberg: emancipação da dissonância, tonalidade expandida e variação progressiva em Friede auf Erden, op.13. Debates, Rio de Janeiro, nº 9, UNIRIO, 2007, p.7-33.

EMBRY, Jessica. The role of organicism in the original and revised versions of Brahms’s Piano Trio In B Major, Op. 8, Mvt. I: A comparison by means of Grundgestalt analysis. Amherst, 2007. Dissertação (Mestrado em Música). University of Massachusetts

EPSTEIN, David. Beyond Orpheus: Studies in music structure. Cambridge: The MIT Press, 1980.

FREITAS, Sérgio. Da Música como Criatura Viva: repercussões do organicismo na teoria contemporânea. Revista Científica / FAP, Curitiba, v.9, p.64-82, jan-jun, 2012.

FRISCH, Walter. Brahms and the principle of developing variation. Los Angeles: University of California Press, 1984.

GREEN, Edward. ‘‘It don’t mean a thing if it ain’t got that Grundgestalt!’’— Ellington from a motivic perspective. Jazz Perspectives, vol. 2, no. 2, p. 215–49, 2008.

HAIMO, Ethan. Atonality, analysis and the Intencional Fallacy. Music Theory Spectrum, vol. 18, no. 2, p. 167-199, 1996.

_______________. Developing variation and Schoenberg’s serial music. Musical Analysis, vol. 16, nº 3, p. 349-365, 1997.

HOFSTADTER, Douglas R. Gödel, Escher, Bach: An eternal golden braid. Nova Iorque: Basic Books, 1999.

KRUMHANSL, Carol & CUDDY, Lola. A Theory of tonal hierarchies in music. The Music Cognition Laboratory, Cornell University. Disponível em:

http://music.psych.cornell.edu/articles/reviews/A_theory_of_tonal_hierarchies_in_music.pdf

Acesso em: 10/2/2014

MARTINEZ, Alejandro. La forma-oración en obras de la Segunda Escuela de Viena: un lectura desde la morfología de Goethe. Revista del Instituto Superior de Música, no.12, p.96-113, Santa Fe, 2009.

McADAMS, Stephen & MATZKIN, Daniel. Similarity, invariance, and musical variation. In: Annals of the New York Academy of Sciences. Vol. 930: The Biological foundations of music, p. 62-76, 2001.

PYE, Richard. ‘Asking about the Inside’: Schoenberg’s ‘Idea’ in the Music of Roy Harris and William Schuman. Music Analysis, v. 19, n. 1, 2000, p. 69-98.

PRUSINKIEWICZ, Przemyslaw & LINDENMAYER, Aristid. The algorithmic beauty of plants. Nova Iorque: Springer-Verlag, 1996.

RAHN, John. Basic atonal theory. Nova Iorque: Longman, 1980.

RÉTI, Rudolph. The thematic process in music. Westport: Greenwood Press, 1978.

SCHOENBERG, Arnold. Style and idea: selected writings of Arnold Schoenberg. (Leonard Stein, ed.). Londres: Faber & Faber, 1984.

_______________. Modelos para estudiantes de composicion. (Leonard Stein, ed.; Violeta H. de Gainza, trad.). Buenos Aires: Ricordi, 1988.

_______________. Fundamentos da composição musical. (Eduardo Seincman, trad.) São Paulo: EDUSP, 1991.

_______________. Coherence, counterpoint, instrumentation in form. (Severine Neff, ed.; Severine Neff & Charlotte Cross, trad.). Lincoln: University of Nebraska Press, 1994.

_______________. The musical idea and the logic, technique, and art of its presentation. (Patricia Carpenter & Severine Neff, trad. e ed.). Bloomington: Indiana University Press, 2006.

SIMON, Herbert A. The architecture of complexity. Proceedings of the American Philosophical Society, vol. 106, nº 6, 1962, p. 467-482.

TEMPERLEY, David. The cognition of basic musical structures. Cambridge: The MIT Press, 2001.

TOORN, Pieter Van der. What’s in a motive? Schoenberg and Schenker reconsidered. The Journal of Musicology, v.14, n.3,  1996), p. 370-399.

WÖRNER, Felix. “Thematicism”: Geschichte eines analytischen Konzepts in der nordamerikanischen Musiktheorie. Zeitschrift der Gesellschaft für Musiktheorie, v.6, n.1, p.77-89, 2009.

WORTH, Peter & STEPNEY, Susan. Growing music: musical interpretation of L-System.Department of Computer Science, University of York, Inglaterra. Disponível em: <www-users.cs.york.ac.uk/susan/bib/ss/nonstd/eurogp05.pdf>