Edição, Imprenta e Editora

Quando houver indicação de edição na obra, esta deve ser transcrita seguida da abreviatura da palavra edição no idioma da publicação. Em português utiliza-se o número da edição, em algarismos arábicos, seguido de ponto.

Não se indica primeira edição, exceto, se na página constar a tiragem e esta informação for considerada relevante.

Ex.:

SILVA, José Américo M. da. Criança também faz programa. 3. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1958.

EL SENNE, René. Traité de caracterologie. 5e. éd. Press Universitaires de France, 1957.

SHAUMAN, Daniel. Shaum’s outline of theory and problems. 5th ed. New York: Shaum Publish, 1956. 204 p.

Para indicar emendas e acréscimos à edição, utiliza-se uma forma abreviada:

• ed. rev (segunda edição revista)
• ed. rev. ampl. (segunda edição revista e ampliada)
• ed. 2. tiragem (primeira edição, segunda tiragem)

Ex.:

2nd ed., 3rd impr. (second edition, third impression or printing)

Imprenta

A imprenta é composta de local (cidade de publicação), nome da casa editora, data (ano) da publicação.

Local de publicação

O nome da cidade onde a obra foi editada deve ser transcrito como figura na publicação.

Ex.:

ZANI, R. Beleza, saúde e bem-estar. São Paulo: Saraiva, 1985.

Para evitar ambiguidade, acrescenta-se a indicação do estado, país etc.

Ex.:

Petrópolis, RJ: Vozes, 1980.

Se houver mais de um local para um mesmo editor, Indica-se o mais destacado ou se não houver destaque o que aparece em primeiro lugar.

Ex.:

TROWBRIDGE, Henry O.; EMLING, Robert C. Inflamação: uma revisão do processo. Tradução e revisão Terezinha de Oliveira Nogueira. 4.ed. São Paulo: Quintessence, 1996. 172 p.

(na obra: São Paulo, Chicago, Berlin, Londres, Tóquio, Moscou, Praga, Sofia, Varsóvia)

Se o local não constar da publicação, mas puder ser identificado, faz-se a indicação entre colchetes.

Ex.:

BARDI, P. M. Sodalício com Assis Chateaubriand. [São Paulo]: Museu de Arte de São Paulo, 1982.

Se o local não puder ser identificado, deve-se colocar a abreviatura S.l. (sine loco), entre colchetes.

Ex.:

LEÃO, Luiz Gualdo de Miranda. Miniguia de acentuação gráfica. [S.l.]: BNB, 1986.

Se o nome do local da publicação for encontrado somente em forma abreviada, no documento, registre-a como encontrada e acrescente a forma completa ou complete o nome, entre colchetes.

Ex.:

MERTON, Thomas. A montanha dos sete patamares. Tradução de José Geraldo Vieira. 7. ed. S. [i. e. São]

Editora

O nome da editora deve ser transcrito tal com figura na obra, abreviando os prenomes e suprimindo-se a palavra que designa a natureza jurídica ou comercial, desde que sejam dispensáveis para a identificação.

Ex.:

Zahar (e não Zahar Editores)
Olympio (e não José Olympio Editora)
Alves (e não Francisco Alves Editora)

Quando houver duas casas editoras, indica-se ambas com seus respectivos locais (cidades). No caso de três ou mais, indica-se a primeira ou a que estiver mais próxima.

Ex.:

BUSHINI, Cristina. Mulher e trabalho: uma avaliação da década da mulher. São Paulo: Nobel: Conselho Nacional da Condição Feminina, 1985. 147 p.

Quando o nome da editora não aparecer na publicação mas puder ser identificado, indicá-lo entre colchetes.

Ex.:

HENKIN, Jayme. Manual das petições trabalhistas. Rio de Janeiro: [Ardel], 1985.

Quando a editora não puder ser identificada, substituí-la pela expressão, abreviada sine nomine, [s.n].

Ex.:

MELO, Maria de Lourdes. Curso de Comunicação. Fortaleza: [s.n], 1985.

Quando nem o local nem a editora puderem ser identificados.

Ex.:

FONSECA, Ivan Claret Marques. O vaqueiro. [S.l.: s.n.].

Quando o nome do editor coincidir com o do responsável pela autoria, não incluir no local da editora.

Instituições francesas e italianas são grafadas com letra minúscula, exceto a letra inicial.

Ex.:

ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE BIBLIOTECÁRIOS. Grupo de bibliotecários biomédicos. Referências bibliográficas em ciência da informação. São Paulo, 1971.