O primeiro Canto

O primeiro Canto 📄
Andréia Claudia do Nascimento Pedroso | Celso Garcia Ramalho

Resumo: No princípio é o ser. No princípio, a re-união de lógos e linguagem. A linguagem manifesta pela fala, pelo canto, pelo canto-palavra, pela palavra enquanto canto. Canto-palavra, unidade potente carregada de sentido e presença projetada em som, pronúncia de presença e vigência do real. A linguagem funda um modo de presença, um modo de projetar-se, de coletar o real, de pensar – e inaugura um discurso. Encontramos vestígios de uma civilização articulada pela palavra enquanto canto . Aqui, a palavra é marca de presença do homem, linguagem manifesta em som, pronúncia, en-canto, a palavra é canto, para o canto, enquanto real. A linguagem é fundamento do canto-palavra. A partir do canto-palavra, a partir da vigência do cantar das musas. Vislumbramos uma civilização onde a memória se constituiu por vários séculos tão somente a partir desse canto. Por assim dizer, neste cantar os mitos e os ritos inauguraram saberes e os consagraram para a coletividade. É este o pensamento na Grécia Antiga, do século VII e VI ac., articulado a partir do canto-palavra, o primeiro canto.A pesquisa trazida tem como objetivo evidenciar esse modo de articulação, onde linguagem é canto, é pensamento, de forma a possibilitar a reflexão sobre os desdobramentos desse modus operandis, através da percepção do que aqui chamaremos O primeiro canto em diálogo constante com a filosofia.

Palavras-Chave: As musas. A palavra cantada. A palavra-canto. O canto. Oralidade. Memória. Real.